15:07 20 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Tubarão-galha-branca (imagem referencial)

    Mulher perde 2 mãos e seio em ataque de tubarão na Polinésia

    CC BY 2.0 / Bernanrd Dupond / Whitetip Reef Shark
    Mundo insólito
    URL curta
    0 40
    Nos siga no

    Uma francesa perdeu as duas mãos e um seio em ataque de tubarão, nesta segunda-feira (21), enquanto observava baleias na Polinésia.

    De acordo com o jornal UK Telegraph, a turista de 35 anos estava nadando na ilha de Mo’orea, na Polinésia, quando um tubarão-galha-branca-oceânico a mordeu nos braços e no peito, arrancando suas mãos até os antebraços.

    A turista também perdeu o seio esquerdo como consequência do ataque.

    Autoridades locais informaram que a turista teve sorte em sobreviver ao incidente.

    "Por sorte, havia duas enfermeiras no local do acidente que prestaram primeiros socorros à vítima", contou o bombeiro Jean-Jacques Riveta.

    "Quando nós chegamos ao cais do hotel, ela estava consciente, mas em estado grave. Ela havia perdido muito sangue e ambas suas mãos haviam sido arrancadas na altura do antebraço, junto com uma parte do seu peito", acrescentou.

    A vítima foi levada de helicóptero para a ilha do Taiti, a cerca de 18 km de distância, onde ela se encontra hospitalizada em situação estável.

    Jacques Cousteau, o famoso oceanógrafo e conservacionista, considerava o tubarão-galha-branca como o mais perigoso de todos, referindo que ele é um ótimo caçador e tem fama de atacar sobreviventes de naufrágios.

    O tubarão-galha-branca é considerado responsável pela morte de mais de 800 soldados norte-americanos que se encontravam à deriva após o naufrágio do navio USS Indianapolis, no oceano Pacífico, em 1945.

    Mais:

    Tubarão devora outro aos olhos de visitantes de zoo na Bélgica (VÍDEO)
    Grande tubarão-branco circula homem em prancha com remo (VÍDEO)
    Crocodilo e píton sobrevivem por milagre em acidente mortal na Rússia (FOTOS)
    Tags:
    hospital, turista, Polinésia Francesa, tubarão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar