18:25 14 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    OVNI

    Relatos: Marinha dos EUA planeja manter em segredo avistamentos de OVNIs

    CC0 / Pixabay
    Mundo insólito
    URL curta
    772
    Nos siga no

    As novas diretrizes da Marinha dos EUA vão exigir que pilotos e outros funcionários relatem encontros com OVNIs, mas não tem planos de disponibilizar os dados ao público geral, informou o jornal Washington Post.

    "As organizações de segurança da aviação militar guardam sempre relatos de perigos à aviação como informações privilegiadas para preservar a priorização e discussão livre e honesta sobre segurança entre as tripulações", afirmou Joe Gradisher, porta-voz de Matthew Kohler, vice-chefe das Operações Navais para Guerra de Informação.

    Gradisher acrescentou que qualquer relatório resultante dessas investigações conterá "informações classificadas".

    Segundo o Washington Post, a decisão da Marinha de rever as diretrizes de relatos sobre OVNIs veio à tona no mês passado, quando o porta-voz explicou que a Marinha estadunidense recebeu "vários relatos sobre veículos aéreos não autorizados e/ou não identificados" voando em áreas controladas por militares.

    Em 2017 a mídia informou que o Pentágono tinha um escritório secreto destinado a investigar relatórios militares sobre avistamentos de OVNIs. Trata-se do chamado Programa Avançado de Identificação de Ameaças para Aviação, que supostamente funcionou entre 2009 e 2012 e tinha um orçamento anual de cerca de 22 milhões de dólares.

    Apesar dos relatos de que o governo cortou o financiamento para o programa secreto, seu ex-chefe, Luis Elizondo, teria dito que o projeto nunca havia parado e que ele continuou a administrar esse programa até outubro de 2017, quando renunciou devido a pressões internas que dificultaram seu funcionamento.

    Mais:

    Serão mesmo OVNIs? Eis o que atrai milhares de pessoas para esta zona argentina
    Além de OVNIs, programa secreto do Pentágono traz raio da morte e invisibilidade
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar