09:51 18 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Vista da Terra desde o espaço (imagem ilustrativa)

    Nova 'corrida' ao espaço profundo começou, afirma o chefe de agência russa

    © Foto: Roskosmos / Oleg Artemiev
    Mundo insólito
    URL curta
    6171

    A Rússia entrou em uma nova competição espacial, de acordo com o chefe da agência espacial do país, a Roscosmos. A nova "competição" está focada em vôos espaciais tripulados e exploração do espaço profundo.

    "Agora estamos entrando em uma nova fase de uma certa competição com os principais poderes espaciais, relacionados a futuros programas tripulados, inclusive no espaço profundo", declarou o chefe da Roscosmos, Dmitry Rogozin, nesta sexta-feira.

    Rogozin também revelou que recentemente conversou com o presidente da Academia Russa de Ciências, Alexander Sergeev, e discutiu os detalhes do programa da Lua e as especificações de cargas necessárias para isso.

    Dada a complexidade da exploração espacial, qualquer "corrida espacial" — contemporânea ou a que pertence à era da Guerra Fria — é na verdade uma espécie de "competição cooperativa" —, acredita Nathan Eysmont, chefe do Instituto Russo de Estudos Espaciais.

    "Isso não significa que todo mundo está trabalhando com os cotovelos e correndo em algum lugar para ser o primeiro. Pode ser surpreendente, mas sem cooperação não haverá competição", disse Eysmont à RT.

    Espera-se que os primeiros cosmonautas russos andem na superfície do único satélite natural da Terra até 2030. O programa da Lua envolve o desenvolvimento de um módulo de levantamento e aterrissagem super pesado.

    Antes da muito aguardada missão Lua, a Roscosmos precisará realizar vários lançamentos de testes, incluindo um foguete de transporte super pesado do tipo Don. Espera-se que o foguete seja capaz de transportar uma carga útil de 130 toneladas para a órbita baixa da Terra e até 32 toneladas para a órbita da Lua. A missão tripulada à Lua também será precedida pelo lançamento de um módulo lunar, ainda sem nome.

    Além de realizar a missão da Lua, Rogozin pensou em estabelecer uma base permanente no satélite no ano passado. A base, se for concretizada, será habitada por robôs de "avatar" controlados remotamente, de acordo com o chefe da Roscosmos.

    Mais:

    Roscosmos diz que é necessário preparar advogados para disputas judiciais sobre Lua
    Em direção à Lua, Roscosmos fará pedido de US$ 22,6 bilhões ao governo da Rússia
    'Pequena guerra' à vista? Chefe da Roscosmos explica para que precisa de 10 caças
    Tags:
    cooperação científica, ciência, tecnologia, corrida espacial, missão espacial, Roscosmos, NASA, Alexander Sergeev, Nathan Eysmont, Dmitry Rogozin, Lua, Espaço, Estados Unidos, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar