00:35 19 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Bebê (imagem referencial)

    Recém-nascida é resgatada com vida de cano subterrâneo na África do Sul (VÍDEO)

    CC0 / Unsplash
    Mundo insólito
    URL curta
    2 0 0

    Um morador de Durban, cidade sul-africana, estava passeando de manhã, quando ouviu um barulho parecido com miado saindo do encanamento debaixo da terra. Para sua surpresa, se tratava de uma bebê e não de um gato, escreveu Daily Mail.

    Lyron Lovdale se aproximou do chão ao perceber que o barulho não era de um gato, e acendeu lanterna para ver quem estava dentro do encanamento. Ele viu uma bebê recém-nascida nua. Imediatamente, Lyron ligou para resgate, fazendo com que chegassem policiais, paramédicos e bombeiros de Durban.

    Quando a equipe de resgate chegou ao local, a criança estava a quase dois metros de profundidade. E desceu mais cinco metros e meio por um cano de 30 cm. Depois de o resgate ter sido alarmado, a recém-nascida passou três horas para ser retirada do encanamento.

    Equipes de resgate no local de desabamento do prédio residencial na Rússia
    © Sputnik / Assessoria do Ministério para as Situações de Emergência da Rússia
    Citado pelo Daily Mail, o porta-voz do Serviço de Emergência Médica, Robert McKenzie, disse que "ela está agora em condição estável e nosso helicóptero a levou para o hospital, onde doutores estão esperando para recebê-la", adicionando que "a polícia vai agora tentar investigar as circunstâncias que levaram a criança para o cano primeiramente e vai também tentar rastrear a mãe".

    A recém-nascida recebeu o nome Storm (Tempestade), por sua vontade de viver em época em que a nação sul-africana está enfrentando grandes tempestades, e vai para um orfanato.

    Mais:

    Bebê de 8 meses quase morre após ingerir haxixe
    Diretor de hospital nos EUA se demite após mulher em coma há 10 anos dar a luz a um bebê
    Bebê, ferido em acidente de Copacabana, no Rio, morreu
    Tags:
    resgate, operação, bebê, África do Sul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar