01:42 12 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Crânio (imagem referencial)

    Chinês revela suposto crânio alienígena com 2 'camadas distintas' (FOTO)

    CC0
    Mundo insólito
    URL curta
    466

    Um ufólogo amador chinês afirma ter um crânio que não pode ser humano nem de qualquer outra espécie terrestre, informou o jornal Global Times.

    Li Jianmin, autor de livros de ficção científica e autoproclamado especialista em OVNIs, revelou o que ele acredita ser um crânio alienígena.

    O homem de 55 anos anunciou sua descoberta durante uma palestra em Pequim no mês passado.

    Alegado crânio alienígena pesquisado por Li Jianmin
    © Foto : Asia Wire
    Alegado crânio alienígena pesquisado por Li Jianmin

    O crânio tem cor marrom e cerca de 16 centímetros de diâmetro. Segundo o chinês, ao contrário dos crânios humanos, este tem duas "camadas distintas", o que pode alegadamente significar sua origem extraterrestre.

    Li disse que o crânio misterioso pertence a um colecionador privado que, por sua parte, tinha comprado o item a um vendedor na Mongólia Interior, uma região autônoma da China.

    "O colecionador estava folheando meu romance quando descobriu que o crânio [que tinha comprado] se parecia muito com um na ilustração", sublinhou Li, citado pelo Global Times.

    Após quatro meses de pesquisas, o entusiasta chinês escreveu um relatório de 103 páginas para confirmar a origem extraterrestre do achado.

    Porém, para ter provas irrefutáveis que o crânio chegou ao nosso planeta do espaço é preciso fazer mais testes, inclusive um teste de DNA, mas Li diz que lhe falta dinheiro para estas análises e procura financiamento.

    O ufólogo amador recebeu várias críticas nas redes sociais chinesas, mas continua insistindo que o crânio é real.

    Mais:

    'Caçador de avião' afirma ter achado novas provas de que voo MH370 caiu na selva cambojana
    Bola de fogo 'enorme e colorida' ilumina o céu do Texas (VÍDEO)
    Tags:
    ufólogos, DNA, pesquisa, achado, crânio, extraterrestre, alienígena, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik