17:36 17 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Unique dolls

    Primeiro bordel de bonecas sexuais é aberto na Finlândia (FOTOS)

    © Foto: uniquedolls
    Mundo insólito
    URL curta
    5710

    Há um lugar na capital da Finlândia destinado para pessoas que desejam viver momentos intensos na companhia de bonecas sexuais hiper-realistas: o bordel Unique Dolls (Bonecas Únicas, em português).

    O bordel, localizado em um porão perto do shopping Kannelmaeki, em Helsinque, é o primeiro estabelecimento finlandês para entretenimento sexual com bonecas de silicone. Levando em conta a quantidade de reservas antecipadas, o estabelecimento de um empresário russo será um sucesso, segundo o jornal Hufvudstadsbladet.

    ​Para tornar suas fantasias em realidade com uma das quatro bonecas sexuais do bordel, os clientes terão que desembolsar 100 euros (R$ 427,6) por hora. Eles poderão escolher Candy, Crystal, Nicky ou Jennifer – todas em tamanho natural.

    As bonecas são previamente aquecidas com um secador para simular o calor humano e minuciosamente higienizadas antes do ato.

    Nos quartos privados há um sofá-cama, aparelho de som e televisão de tela plana, além de toalhas, lubrificantes e preservativos – que são obrigatórios para os clientes. Apenas quatro pessoas são atendidas de cada vez.

    "Este é um excelente lugar para aqueles que têm alguma deficiência ou complexo ou apenas sejam tímidos. Todos são bem-vindos aqui. Aqui você será anônimo", explicou ao jornal o chefe do clube, Antti Kurhinen.

    O proprietário do estabelecimento, conhecido como Konstantin, esclareceu que o objetivo das bonecas é "ajudar as pessoas" a satisfazerem seus desejos sexuais, particularmente aquelas que podem não se sentir confortáveis em fazer isso com pessoas reais.

    Mais:

    Modelo chinesa sacode Instagram com aparência de boneca (FOTOS, VÍDEO)
    Fabricante de bonecas sexuais se dispõe a duplicar qualquer mulher sem seu consentimento
    Tags:
    bonecas, desejo, bordel, Finlândia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik