12:45 22 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo insólito
    URL curta
    9445
    Nos siga no

    Um importante centro russo de pesquisa espacial publicou um vídeo de seu foguete nuclear, que poderá pousar em Marte depois de 7 meses, e pode ser relançado no espaço apenas 48 horas após o pouso.

    "Uma missão a Marte é possível em um futuro muito próximo, mas isso não é um objetivo em si. Nossos motores podem ser a base para uma série de missões espaciais que atualmente parecem ficção científica", disse Vladimir Koshlakov, chefe do Centro de Pesquisas Keldysh, em Moscou.

    O instituto, famoso por desenvolver o foguete Katyusha lançado durante a Segunda Guerra Mundial, vem trabalhando no que diz ser um sistema de propulsão "único" desde 2009. A partir de descrições anteriores, ele é composto por um reator de fissão refrigerado a gás que alimenta um gerador, que por sua vez alimenta um propulsor de plasma.

    Vários reatores nucleares foram instalados no espaço pelos soviéticos e pela NASA entre as décadas de 1960 e 1980, mas, embora Koshlakov tenha se recusado a nomear uma data para quando os novos motores estarão prontos, ele diz que "ultrapassará o nível atual de tecnologia e tecnologia e desenvolvimento científico".

    "A reutilização é a prioridade", afirmou Koshlakov, um pesquisador científico especializado em transferência de calor e modelagem matemática.

    "Precisamos desenvolver motores que não precisem ser aperfeiçoados ou reparados mais de uma vez a cada 10 voos. Além disso, 48 horas após o foguete retornar do espaço, ele deve estar pronto para ser usado novamente. É isso que o mercado exige", acrescentou.

    Questionado sobre se poderia ser atacado por empresas estrangeiras, particularmente corporações privadas mais ágeis, como a SpaceX, de Elon Musk, que está planejando sua missão em Marte, Koshlakov não se preocupou.

    "Elon Musk está usando a tecnologia existente, desenvolvida há muito tempo. Ele é um homem de negócios: ele pegou uma solução que já estava lá e a aplicou com sucesso. Notavelmente, ele também está fazendo seu trabalho com a ajuda do governo", concluiu Koshlakov.

    Mais:

    Sonda da NASA se aproxima de Marte para mapear seu interior
    Novo foguete superpesado russo permitirá voos a Marte
    Misteriosa nuvem branca envolve vulcão morto em Marte (FOTOS)
    Tags:
    Katyusha, foguete nuclear, foguete, Centro de Pesquisas Keldysh, Roscosmos, NASA, Vladimir Koshlakov, Elon Musk, Marte, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar