04:54 16 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Píton amarela

    Pai filma filha brincando com píton de quase 4 metros (VÍDEO)

    CC0 / Pixabay
    Mundo insólito
    URL curta
    0 10

    Uma menina de apenas cinco anos foi filmada com uma enorme cobra píton amarela quatro vezes maior do que ela. Aterrorizados, os internautas se lançaram contra os pais da pequena.

    Encontrar-se cara a cara com uma cobra píton de 3,7 metros de comprimento seria arrepiante até para o mais valente. Mas esta menina de apenas cinco anos parece se sentir bastante confortável e se diverte com uma enorme serpente quatro vezes maior do que ela.

    O vídeo publicado no YouTube deixou os internautas perplexos. A menina foi filmada acariciando e dando palmadinhas em uma enorme cobra píton amarela. Com 3,7 metros de comprimento, a serpente se estica na direção da menina que, por sua vez, faz carinho no réptil.

    O pai da menina publica regularmente vídeos dela na companhia da serpente no canal do YouTube Sonny and Cher Retithulated Pythons.

    "As serpentes não são monstros sangrentos. Ao menos são erroneamente representadas nos meios de comunicação para provocar pânico e paranoia. Tenho duas cobras pítons reticuladas, muito suaves e tranquilas, criadas em cativeiro, chamadas de Sonny e Cher", diz-se na descrição do canal.

    No entanto, nem todos os internautas estão de acordo. Mesmo que alguns achem que os vídeos sejam "fascinantes", outros se mostraram mais céticos e criticaram o homem por ter submetido sua filha ao risco.

    Um deles até escreveu: "Quando voltar para casa e a píton tiver matado sua filha, lembre que é uma cobra píton e isso é o que as pítons fazem."

    Outro internauta comentou: "Alguém poderia me explicar quão seguro é isso?"

    Mais:

    Encontre-me se puder: enorme píton é retirada debaixo de casa na Austrália
    Ótima vista litorânea: píton aparece em cobertura de casa à beira-mar
    Olhe antes de sentar: americano encontra cobra dentro da privada (FOTOS)
    Tags:
    réptil, píton, serpentes, ameaça
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik