21:13 19 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Uma mulher em lingerie sensual, imagem referencial

    Revolução sexual: robôs ganham habilidade de dizer 'não' na hora do sexo

    CC0 / pixabay
    Mundo insólito
    URL curta
    142

    Robôs sexuais se tornaram aparentemente tão suscetíveis a relações que agora podem perceber algo como ofensivo e desrespeitoso, ganhando a habilidade de se recusar a ações indesejadas.

    A robô sexual Samantha demonstrou habilidade de dizer "não" a parceiros sexuais agressivos durante apresentação realizada no Centro de Ciência de Vida em Newcastle, relatou o diário The Daily Star.

    De acordo com o jornal, os sensores de Samantha são capazes de detectar quando o "contato se torna muito agressivo e desrespeitado", o que incentiva a robô a deixar de responder.

    Robôs sexuais do designer Sergi Santos
    © Foto : Sergei Sanchez
    Robôs sexuais do designer Sergi Santos

    Quando Samantha é tratada de maneira adequada, ela retribui com afeição, "ronronando como uma gata e cochichando afetos" para seu parceiro. Vale destacar que as configurações dela podem ser alteradas de "família" para "romântico", "sexo" ou "extremamente danadinha".

    Mais anteriormente, o criador de Samantha, Sergi Santos, declarou que os seus robôs vão ter o código moral, e em vez de somente serem capazes de falsificar orgasmos, poderão responder com mais entusiasmo a pessoas mais amigáveis.

    A sua opinião foi compartilhada pelos pesquisadores Lily Frank e Sven Nyholm da Universidade de Tecnologia Eindhoven da Holanda que afirmaram que os robôs sexuais futuros podem de fato ser bastante sofisticados ao ponto de "possuírem um nível de consciência" para consentir com relações sexuais.

    Mais:

    Henry chegou para agradar: novos detalhes do robô sexual masculino são revelados
    Problemas conjugais? Robôs sexuais podem ajudar a salvar matrimônio
    Encontre 10 diferenças: empresa chinesa revela boneca sexual 'viva' de nova geração
    Tags:
    sensor, respeito, relações, sexo, robô
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik