18:28 20 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Homem estendendo a mão a crocodilo

    Jaula da Morte: homem propõe casamento à noiva rodeado por crocodilos (FOTO)

    CC0 / Pixabay
    Mundo insólito
    URL curta
    0 0 0

    A maioria dos homens propõe casamento às suas namoradas em uma atmosfera romântica, mas Michael Beltrami, de 33 anos, decidiu pedir a mão de Katie Johnson em uma jaula rodeada por crocodilos.

    A aventura ocorreu em abril em Melbourne, Austrália, durante um mergulho na atração Jaula da Morte, chamada de Darwin's Crocosaurus Cove. Os namorados ficaram dentro de um cilindro transparente debaixo de água, protegido dos répteis nadando ao redor.

    O australiano esperou um momento adequado para se ajoelhar perante a sua namorada na jaula subaquática e lhe mostrar o presente que guardava no seu bolso. Tudo corria bem até o momento em que introduziu a mão no bolso e não encontrou o anel.

    Michael Beltrami propõe casamento à namorada Katie Johnson na Jaula da Morte rodeada por crocodilos na Darwin's Crocosaurus Cove e ela disse "sim". O contrato de crocodilo deu certo.

    "Eu tinha-o amarrado com um nó corrediço, que deveria ter se soltado porque eu me lembro de olhar para cima e ver o pedaço de corda flutuando na água", confessa na entrevista ao diário Daily Mail.

    "Naturalmente, entrei em pânico, mas o anel ainda estava lá", acrescentou.

    O aventureiro contou que de imediato colocou o anel no seu próprio dedo mínimo até o momento em que decidiu pedir casamento a Katie, que logo aceitou a proposta. Além desse momento nervoso, Beltrami não teve outros problemas, para além, naturalmente, de se ver rodeado por crocodilos gigantes.

    Mais:

    Cachorra 'terror de crocodilos' é finalmente vencida por réptil (VÍDEO FORTE)
    Crocodilo devora pastor durante batismo coletivo às margens de lago na Etiópia (FOTO)
    Jacaré de 2 metros tenta escalar cerca para fugir de caçadores (FOTO)
    Tags:
    matrimônio, casamento, réptil, crocodilo, Austrália
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik