12:14 14 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Cobra rato (imagem referencial)

    Pais ameaçam queimar escola sul-africana invadida por cobras

    CC BY 2.0 / Dennis Church / Cobra rato
    Mundo insólito
    URL curta
    120

    Uma escola da província KwaZulu-Natal (África do Sul) está enfrentando revolta popular, desde que um aluno do 2º ano teve seu rosto atingido por veneno de cobra, e teve de ser imediatamente levado ao hospital. Os pais, revoltados, estão ameaçando queimar a escola.

    O ataque ocorreu nesta quinta-feira (24), quatro dias após os pais terem ido até a escola para discutir o problema relacionado a cobras, que estavam "invadindo" a escola e ameaçando os alunos, comunicou a edição Times Live

    O diretor da escola, Gift Gaysman, afirmou: "As cobras então vindo de uma propriedade mal cuidada que fica ao lado da escola. Na reunião que tivemos, fomos avisados de que o município se encarregaria de limpá-la, e também multariam o dono, mas, obviamente, isso não aconteceu." 

    O diretor também disse que não houve outros ataques no estabelecimento, mas que, por conta do calor, as cobras acabam se acomodando no prédio. Além disso, muitos pais têm protestado quanto a esse problema ao longo das últimas semanas. 

    A notícia do ataque rapidamente se espalhou, deixando os pais ainda mais revoltados.

    "A notícia do ataque viralizou, e os pais vieram rapidamente à escola. Eles estavam queimando pneus, a rua estava interditada, e eu ouvi dizer que eles pretendem queimar a escola hoje à noite", declarou o diretor. 

    Kwazi Mthethwa, porta-voz da Secretaria da Educação de KwaZulu-Natal, afirmou que desconhecem o incidente, mas avisaram que aqueles que estiverem usando meios violentos de protestos, sofrerão as consequências da lei.

    Mais:

    Cobra descoberta dentro de cabine de votação paralisa eleição (VÍDEO)
    Final inesperado: cobra é devorada viva por louva-a-deus
    Cobra enorme se espreguiça em árvore e assusta pessoas (FOTO)
    Tags:
    escola, cobras, África do Sul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik