03:39 18 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Pimenta habanero

    Agrocoin: criptomoeda mexicana lastreada em pimenta habanero

    CC BY 2.0 / Eric Chaffee
    Mundo insólito
    URL curta
    Criptomoedas: a revolução financeira silenciosa (47)
    120

    Esta nova moeda digital funciona com a tecnologia de blockchain, mas não é especulativa porque está baseada em um ativo real.

    A empresa mexicana Amar Hidroponia, que cultiva pimenta habanero, ofereceu há vários meses a capacidade de investir em seu negócio através de uma nova criptomoeda: o agrocoin, informou a agência Boomberg.

    Os representantes da empresa explicaram que é uma moeda digital, respaldada em produção e venda de pimentas habanero. Por 500 pesos — que equivalente a cerca de 27 dólares ou 86 reais — o investidor adquire direitos sobre um metro quadrado de terra, em um contrato de investimento de um ano e recebe dividendos anuais de 30% em três entregas.

    "Temos muita gente disposta a investir, mas com pouco dinheiro", explicou à Bloomberg o presidente da empresa, Rodrigo Domenzain. "O agrocoin nos permite ter um novo produto de investimento respaldado por produtos agrícolas".

    Essa nova moeda virtual se baseia na tecnologia de blockchain, assim como o bitcoin. Entretanto, seus criadores sublinham que não é especulativa, sendo lastreada por um ativo produtivo: a produção de pimenta habanero. Estas pimentas pequenas são um ingrediente comum da culinária mexicana, especialmente na península de Yucatán.

    Os agrocoins podem ser comprados no site da empresa e, após um período de um ano, trocados em uma plataforma de negociação de criptomoedas. A Amar Hidroponia já vendeu cerca de 50.000 unidades desta moeda, e sua meta de emissão se situa em um milhão.

    Tema:
    Criptomoedas: a revolução financeira silenciosa (47)

    Mais:

    Bolsa de criptomoedas Coinbase entregará dados de seus usuários às autoridades dos EUA
    Tags:
    criptomoedas, investimento, agricultura, México
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik