02:46 20 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Um monstro da profundeza

    Monstros mais obscuros encontrados nas profundezas marinhas (FOTOS, VÍDEO)

    CC BY-SA 2.0 / Johnathan Nightingale Follow / Gah
    Mundo insólito
    URL curta
    110
    Nos siga no

    As tenebrosas profundezas dos oceanos do mundo às vezes escondem criaturas misteriosas, deixando até mesmo os cientistas mais inteligentes pasmados e os mais corajosos marinheiros apavorados. A Sputnik lhe propõe uma seleção das "surpresas" marinhas mais recentes.

    No final do ano passado, cientistas da Universidade do Pacífico do Alasca descobriram algo que consideraram como sendo uma nova espécie do maior polvo no mundo, podendo pesar até 68 kg.

    ​O polvo enorme que foi detectado nas águas da Enseada do Príncipe Guilherme, no Alasca, possui protuberâncias carnosas na pele e duas manchas em sua cabeça.

    Cópia do monstro do lago Ness?

    Além disso, no final do ano passado no YouTube foi publicado um vídeo que capturou uma criatura parecida com o monstro do lago Ness.

    Nesta gravação, pode-se ver a cabeça e uma parte do pescoço do animal misterioso ao emergir da parte albana do lago Prespa, que também pertence à Grécia e à Macedônia.

    O jornal britânico, The Mirror, relatou que o vídeo foi filmado perto da aldeia turística albana de Pretor, onde alguns habitantes continuam crendo em um monstro aquático, enquanto os outros afirmam que se trata apenas de um bagre enorme.

    'Fóssil vivo'

    Em novembro, um pescador português conseguiu tirar da água um tubarão raro descrito pelos cientistas como "um fóssil vivo". Supõe-se que ele tem vivido nos últimos 80 milhões de anos sem ter sofrido nenhuma modificação.

    Este peixe com 1,5 metro de comprimento move-se igual uma serpente e possui mais de 300 dentes agudos parecidos com lâminas. Os cientistas consideram este tubarão como um protótipo dos monstros marinhos míticos dos quais os marinheiros costumam relatar.

    'Algo enorme'

    Em outubro, um antigo pescador e comerciante Bjorn Dihle, descobriu os restos de "algo enorme" em uma praia a cerca de 60 km da capital do Alasca, Juneau, enquanto estava no caiaque.

    Alguns especialistas que vieram ao local do achado sugeriram que poderia ser o fígado do tubarão-dormedor-do-pacífico, porém, isto ainda não foi confirmado cientificamente.

    Enguia com dentes?

    Em setembro, os restos de uma criatura venenosa e aparentemente sem olhos foi detectada em uma praia do Texas, na sequência do abalo do desastroso furacão Harvey.

    ​As imagens do corpo grosso, parecido com de uma serpente, com cauda e uma linha de dentes aguçados iguais a lâminas, levaram o cientista Kenneth Tighe, do Museu Nacional de História Natural, a acreditar que esta criatura provavelmente seria uma espécie de Aplatophis chauliodus, também conhecida como enguias com dentes.

    Lula gigante

    Em julho, a tripulação do barco pescador Cu Na Mara conseguiu tirar das águas uma lula gigante em uma rede de arrasto de 240 km, perto da costa irlandesa.

    O Architeuthis com 5,5 metros de comprimento é raramente visto pelos humanos e pode crescer até 12 metros.

    Vestígios sobre esta criatura, considerada como a mais comprida de todas as lulas, datam do ano de 1639 na Europa. Porém, até 2004 a enorme lula não foi fotografada em seu habitat natural.

    Monstro-barco

    Em maio, os restos de uma criatura marinha misteriosa foram descobertos perto da ilha Ceram, na Indonésia, ao pasmar os habitantes locais e levando muitos deles a acreditar que se tratava de um barco encalhado.

    Os especialistas indonésios sugerem que pode ser uma baleia, mas os pesquisadores ainda estão conduzindo testes em laboratório para confirmar a teoria.

    Mais:

    Situação extrema: surfista não esperava encontrar este monstro predador (VÍDEO)
    'Arrepiante': monstro de 2 metros sai de sanitário (VÍDEO)
    'Monstro' desconhecido de 1 olho e 8 patas é encontrado no Ártico canadense
    Tags:
    profundeza, oceano, peixe, Alasca, EUA, Indonésia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar