04:43 25 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Explosão nuclear (imagem referencial)

    Especialistas em energia atômica contestam cenários otimistas das séries sobre apocalipse

    CC0 / Pixaby
    Mundo insólito
    URL curta
    7101

    Uma explosão simultânea de todas as usinas nucleares do mundo, como resultado de um ataque nuclear ou uma calamidade natural, tornaria o planeta completamente inabitável ao longo dos próximos 156 anos devido à contaminação do solo e atmosfera, descobriram os cientistas.

    "No final da 4ª temporada da série 'The 100', seus heróis voam para o espaço para tentarem se salvar do apocalipse nuclear provocado por uma explosão quase simultânea de todas as usinas nucleares do mundo. A protagonista principal, na época, assegurou que o planeta ficaria seguro para habitação após 2.199 dias. Verificamos para ver se este é realmente o caso", escrevem os autores da pesquisa na edição Journal of Physics Special Topics.

    Segundo as atuais avaliações da ONU e da Agência Internacional de Energia Atômica, as usinas nucleares produzem cerca de 11% de toda a energia elétrica na Terra. Hoje em dia, em nosso planeta há cerca de 430 usinas nucleares estacionárias e quase 200 reatores flutuantes instalados em submarinos, quebra-gelos e usinas de energia flutuantes.

    Para meados deste século, acreditam os especialistas das Nações Unidas, o número de reatores dobrará e atingirá cerca de 900.

    Na série "The 100", estes reatores ficam fora de serviço quase ao mesmo tempo porque a protagonista principal destrói o sistema de inteligência artificial ALIA que havia provocado uma guerra nuclear no 1º episódio da série e, ao mesmo tempo, gerenciava o funcionamento de todas as instalações atômicas no planeta.

    Ao usarem os dados sobre as explosões nas usinas nucleares de Chernobyl e Fukushima, os cientistas britânicos tentaram calcular, quantos radioisótopos seriam lançados para a atmosfera em resultado de tal cataclismo e por quanto tempo o planeta ficaria inabitável para o ser humano.

    De acordo com esses cálculos, a protagonista principal da série apresentou o problema de forma otimista, pois a dispersão de grandes volumes de césio-137 e outros isótopos de vida longa tornaria a Terra em um lugar inabitável para as pessoas ao longo de 150 anos, e não apenas 5.

    Nos primeiros anos após a explosão, o nível de radiação (caso os resíduos sejam distribuídos de forma regular) será 35 vezes superior ao normal e diminuirá até índices mais ou menos seguros somente após cerca de 50 anos.

    Claro que, realçam os cientistas, nada disso pode se passar na realidade, pois a maioria dos reatores modernos é equipado com vários sistemas de segurança que parariam as reações químicas e desligariam o reator caso seu sistema de resfriamento ficasse desabilitado.

    Mais:

    Cientistas calculam quantos anos viverá humanidade se todos virarem canibais
    Patriarca da Igreja Ortodoxa Russa revela quando o 'fim do mundo' vai chegar
    Bruxo mexicano prediz 'magnicídio' no Brasil e Venezuela
    Tags:
    série, explosão nuclear, catástrofe, Chernobyl, Terra, Fukushima
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik