19:33 24 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Anjo (foto referencial)

    Um anjo apareceu no céu nas vésperas do Natal? NASA responde (FOTOS, VÍDEO)

    CC0 / Pixabay
    Mundo insólito
    URL curta
    391

    Recentemente, a NASA explicou a origem de um estranho fenômeno meteorológico cuja imagem inundou as redes sociais no mês passado. Os cientistas explicaram que o vídeo gravado por um esquiador em Vemdalen (Suécia) em 1 de dezembro de 2017 mostra algo que é conhecido como "halo solar".

    Os halos solares se produzem quando se formam partículas de gelo suspensas na atmosfera, fazendo com que a luz proveniente do sol mude de direção e crie um efeito ótico na forma de um disco ao redor do Sol. Este disco tem um anel iridescente na sua circunferência, de cor vermelha no lado interno do anel e verde e azul no lado externo.

    O estranho fenômeno causou grande repercussão nas redes sociais, revela o Daily Mail. Alguns o compararam à imagem de um anjo: "Parece aquela imagem que você imagina ver quando os anjos começam a formar a primeira luz no céu da Jordânia no Natal ", escreveu um internauta. "Estas são o tipo de coisas que te ajudam a entender a gente que acredita em anjos", acrescentou outro.

    ​A verdade é que a comparação com os anjos não é tão exagerada. Existe uma clara semelhança entre este fenômeno meteorológico e os círculos luminosos que aparecem acima ou atrás das cabeças das figuras consideradas santas na iconografia religiosa.

    ​Neste caso, é um halo com parélio, ou seja, um halo de 22° que, devido à reflexão da luz, tem manchas brilhantes à direita e esquerda do Sol. O fenômeno espetacular tinha sido registrado na Suécia em 1 de dezembro, mas até agora não tinha sido explicado.

    Mais:

    VÍDEO chocante retrata 'monstro de lago Ness' encontrado nos Bálcãs
    'Jesus não nasceu em 25 de dezembro, nem em Belém, nem era esse seu nome'
    Cenário apocalíptico: Sol consumirá a Terra, destruindo Sistema Solar (FOTOS)
    Tags:
    Sol, anjo, NASA, Suécia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik