01:42 16 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Tubarão-branco

    Um tubarão de 512 anos? Verdade sobre predador marinho encontrado na Groenlândia

    CC0 / Pixabay
    Mundo insólito
    URL curta
    0 91

    Há pouco tempo, a mídia anunciou a descoberta de um tubarão da Groenlândia cuja idade pode bater o recorde de longevidade entre os vertebrados, embora alguns detalhes passassem despercebidos.

    Um tubarão da Groenlândia, também conhecido como tubarão boreal, encontrado nas águas do Atlântico Norte, protagonizou nos últimos dias as manchetes de várias mídias que se apressaram para comunicar sobre uma suposta grande descoberta no mundo da ciência. Segundo foi comunicado, o animal teria pelo menos 512 anos de idade, e vivia ainda nos tempos de Shakespeare e poderia ter nascido antes. 

    O suposto tubarão tem vários séculos de idade, mas em primeiro lugar o estudo citado pela mídia não traz nada de novo: foi publicado na revista Science em agosto de 2016. Em segundo lugar, os cientistas que participaram desta investigação e analisaram a possível idade de 28 fêmeas de tubarões boreais, nunca chegaram à conclusão de que a idade ultrapasse os 500 anos. 

    Em atenção ao seu tamanho, o maior animal entre eles (502 centímetros), poderia hipoteticamente ter 512 anos, mas os pesquisadores presos à verdade científica se limitaram em afirmar que sua idade poderia variar entre 272 e 512 anos e finalmente eles chegaram à conclusão de que é de 392 anos. 

    ​O pesquisador principal do estudo, Julius Nielsen, confirmou ao portal LiveScience que os tubarões examinados tinham pelo menos 272 anos de idade e que sua idade máxima poderia ser de  512 anos, embora o número mais provável fosse de 390 anos. Dada à imprecisão, ele enfatizou que existe certo grau de insegurança quanto às estimativas. 

    Mais:

    Caçada de mestre: tubarão aguarda suas vítimas para atacar
    Luta violenta entre homem e tubarão por um peixe valioso
    Tags:
    idade, tubarão, ciência, descoberta, mídia, Atlântico Norte, Groenlândia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik