02:30 17 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Homem em cadeira de rodas (foto referencial)

    Benjamin Button existe? Este menino tem 5 anos, mas parece um velhote (FOTOS)

    © Fotolia / Archimede
    Mundo insólito
    URL curta
    121

    O protagonista do famoso filme de David Fincher parece ter um protótipo real. Bayezid Hossain, menino bengali, tem aparência de um idoso, mas, na realidade, nasceu apenas 5 anos atrás.

    Apesar de poder contar sua idade com os dedos de uma só mão, este "Benjamin Button" bengali tem uma pele flácida, os olhos afundados e problemas dentários. Ademais, sofre de dores nas articulações e experimenta dificuldades na hora de urinar.

    Mas qual é a razão para este fenômeno insólito? Pelo visto, a criança nasceu com uma patologia relacionada ao envelhecimento prematuro e denominada como progéria. De acordo com os cálculos dos médicos, o menino provavelmente viverá até os 13 anos de idade.

    "Quando nasceu, era carne e osso. Parecia um extraterrestre, e os médicos diziam que nunca tinham visto algo desse tipo. Disseram que não havia nada para fazer. Isso me partiu o coração", confessou a mãe do "velhote de 5 anos", Tripti Khatin, em uma entrevista ao jornal britânico Daily Mail.

    A jovem somente tinha 14 anos quando deu à luz, algo que costuma ser habitual em sua comunidade.

    ​Devido à sua doença, Bayezid é obrigado a estudar em casa. Sua mãe e seus primos lhe ensinam a escrever e a contar. Quanto aos vizinhos, estes já ficaram acostumados à sua aparência e lhe chamam de "homem velho".

    "Ele entende sua condição, mas não gosta de falar sobre isso. Somente chora quando se sente estranho", lamentou a mãe da criança. Ao mesmo tempo, o menino gosta de jogar bola e de desenhar como qualquer outra criança.

    Mais:

    Ganho de peso inexplicável: menino de 10 meses pesa o mesmo que uma criança de 9 anos
    Menina russa é considerada a criança mais bonita do mundo (FOTOS)
    Tags:
    idosos, doença, crianças, Bangladesh
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik