00:23 17 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Bebê recém-nascido

    2 bebês em um dia: como foram vendidos os recém-nascidos sérvios

    © AP Photo / Allison Joyce
    Mundo insólito
    URL curta
    0 01
    Nos siga no

    Os sequestros de recém-nascidos das maternidades na Iugoslávia e posteriormente na Sérvia foram temas tabus durante muito tempo. Entretanto, há informações suficientes sobre crianças mortas que depois "ressuscitaram" em outras regiões ou outros países.

    Por exemplo, o interlocutor da Sputnik Sérvia, Ivan Miljkovic, depois de anos à procura, finalmente encontrou seu irmão gêmeo Nenad, que "morreu" quase imediatamente após o nascimento. Mas Nenad está vivo e cresceu em outra família.

    "Nascemos em 7 de maio de 1979, em uma maternidade da cidade de Svilajnac. Natan e eu somos gêmeos idênticos. O parto ocorreu durante a noite, e de manhã uma parteira, sem aviso à mãe, enviou-nos a Belgrado no Instituto de Neonatologia […] No dia seguinte, o pai chegou na maternidade onde lhe informaram que um dos bebês havia morrido e o outro estava em estado crítico. Ele exigiu que liberassem o corpo e que lhe dessem mais informação sobre o segundo bebê, mas a maternidade informou que tudo estava de acordo com as regras e que logo ele receberia todos os documentos. Até 2003 não recebemos nenhum documento", disse ele.

    Ivan e seu irmão receberam o mesmo Número de identificação individual do cidadão (documento obrigatório na Iugoslávia e Sérvia) e através de diferentes manipulações com os documentos, causaram a impressão de que havia nascido apenas uma criança, em vez de duas. 

    "Começamos coletar os documentos em 2011 para entender se o irmão estava ou não vivo. Foi então que descobrimos que não há certidão de óbito ou resultados da autópsia, nem foi indicado o local do enterro, ou seja, o fato da morte não foi registrado. Conseguimos encontrar o Número de identificação individual do cidadão do meu irmão, mas com um novo nome e novos dados. Descobrimos onde ele vive. Foi vendido a uma família católica albanesa. A análise de DNA confirmou que era meu irmão. Agora queremos forçar o Estado a responsabilizar criminalmente os responsáveis", afirmou ele.

    Segundo o interlocutor, não se trata de um caso isolado de venda de bebês em Kosovo.

    "Segundo os documentos da funerária, nenhum bebê do Instituto de Neonatologia foi enterrado em maio de 1973. Mas sei de mais um caso: os gêmeos que foram levados ao Instituto no dia seguinte depois de nós, e um deles também foi vendido. Dois bebês em um dia", disse Miljkovic.

    De acordo com ele, os primeiros casos da venda de bebês foram registrados em 1956, mas nos anos 70, 80 e 90 ela se tornou uma prática generalizada. Não há dados oficiais, mas segundo algumas estimativas foram sequestrados cerca de 10 mil recém-nascidos.

    Em 2013, Zorica Jovanovic tornou-se a primeira mulher na Sérvia que conseguiu convencer o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos que seu filho, nascido em 1983, não havia morrido, mas fora sequestrado.

    O Tribunal considerou que o Estado deve pagar-lhe 10 mil euros (R$ 38 mil) como uma reparação e tomar todas as medidas necessárias para responder às exigências dos pais que se encontram na mesma situação.

    Miljkovic sublinhou que na Sérvia foi elaborado um projeto de lei sobre os bebês desconhecidos, mas ele prevê as reparações às vítimas em vez da investigação e punição dos responsáveis.

    Como disse Zorica Jovanovic em 2013, ela procurou seu filho não pelo dinheiro, pois "a maternidade não tem preço".

    Mais:

    OTAN terá nova estrutura de comando para mobilizar tropas pela Europa
    'OTAN planeja criar bases militares em Montenegro para controlar o Mediterrâneo'
    Opinião: OTAN não assumirá responsabilidade pelos crimes de seus soldados em Montenegro
    Tags:
    recém-nascidos, bebê, crime, Iugoslávia, Sérvia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar