10:26 25 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Um rapaz chinês

    Chinês vende filho da amante para pagar dívida da mulher

    © flickr.com/ Alicja Peszkowska
    Mundo insólito
    URL curta
    0 14

    Um cidadão chinês de apelido Chen vendeu seu próprio filho e da amante para pagar as dívidas da sua mulher legítima, informa o portal chinês Sina.

    O homem, de 34 anos de idade, teve um primeiro filho com sua mulher em 2012. O homem tinha um negócio bem-sucedido. Após isso, ele começou uma relação extra-conjugal com outra mulher, que deu à luz um segundo filho, em 2014.

    Mais tarde, o negócio de Chen começou entrando em crise, muitas de suas lojas fecharam. Segundo a edição, Chen admitiu ter pensado em dar o seu segundo filho a uma família decente para adoção, porque ele não podia dar ao luxo de criá-lo, mas a amante discordou.

    Em outubro passado, sua esposa tentou suicidar-se por causa de grandes dívidas. Então, Chen vendeu seu segundo filho através da Internet a um homem da província de Hunan por 44 mil yuans (US $6,5 mil). Ele deu a sua esposa 23 mil yuans, mantendo o resto para si mesmo. Ele disse que ama sua esposa e seu primeiro filho mais do que a "segunda família".

    A criança foi mais tarde trazida de volta pela polícia. O promotor perguntou a Chen por que recebeu o dinheiro se ele só esperava encontrar pais decentes para seu filho. Chen disse: "Como eu teria sabido o status econômico da família se eles não me tivessem pago o dinheiro?"

    No final, quando o juiz perguntou se Chen tinha alguma coisa a dizer, ele disse: "Agora, a criança está de volta. Só espero que ela tenha uma boa vida".

    O portal Sina não informa se o homem foi preso ou não.

    Mais:

    Uma indiana se suicida por 25 reais
    Mãe mata quatro filhos com machado e gera debate sobre desigualdade na China
    Mulher afirma manter gravidez há 17 meses
    Mãe faz corrente solidária na internet vendendo brigadeiros para tratar filho
    Tags:
    família, filhos, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar