05:10 16 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    A barata Diploptera Punctate americano

    Leite de barata pode salvar nossos filhos

    © flickr.com/ Mike Keeling
    Mundo insólito
    URL curta
    975
    Nos siga no

    Rico em proteínas e quatro vezes mais nutritivo que o leite de vaca, o de barata pode se tornar em um produto fundamental para alimentar a crescente população do planeta, afirmaram cientistas do Instituto de Biologia de células estaminais e medicina regenerativa da Índia.

    Uma equipe de pesquisadores acaba de descobrir um cristal de proteína dentro da barata Diploptera Punctate, relata o jornal The Times of India. Esta é a única espécie que alimenta seus filhotes com "leite" da mama.

    ​Cada um destes cristais contém quatro vezes mais proteína do que a mesma quantidade de leite de vaca e também é rico em calorias.

    "Os cristais são um alimento completo, com proteína, gordura e açúcar. As sequências de proteínas têm todos os aminoácidos essenciais", afirma Sanchari Banerjee, membro da equipe de pesquisadores.

    "Se você gosta de comida rica em calorias e de uma digestão gradual e completa, então esta é a opção", diz o líder do projeto científico indiano, Subramanian Ramaswamy.

    Tomates
    © flickr.com / Bob Peters (CC BY-ND 2.0)
    Obviamente, é impossível ordenhar uma barata. Por isso, os cientistas estão estudando a possibilidade de replicar os cristais de proteínas em laboratórios para se poder lançar a produção em massa.

    "Não, não temos 100% de certeza. Mas se isso ajudar a combater a escassez de alimentos que vai enfrentar já esta geração, nós aceitamos o desafio", dizem os pesquisadores.

    O estudo de baratas foi publicado no Jornal Internacional de Cristalografia.

    Mais:

    Bicho-preguiça sorrindo num selfie conquista Internet
    Mundo quer que Trump beba chá para ser 'mais inteligente'
    Pescador chinês fica em choque depois de ver animal misterioso na água
    Tags:
    cientistas, comida, pesquisadores, barata, nutrição, leite, Índia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar