05:09 17 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Pastor é condenado por abuso sexual e fraude

    Pastor que prometia 'purificar' adolescente com sexo oral vai pregar atrás das grades

    © flickr.com/ Michal
    Mundo insólito
    URL curta
    38226

    Um pastor evangélico acusado de abusar sexualmente de uma jovem prometendo “purificá-la” por meio do sexo oral foi condenado pela 4ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) por atentado ao pudor mediante fraude.

    Identificado apenas como O.M.S., o homem pegará dois anos e 11 meses de reclusão, em regime inicial semiaberto. 

    De acordo com informações do processo, a vítima, R.S.B, tinha 15 anos na época do crime, ocorrido em 2007, e frequentava a congregação evangélica na qual O.M.S. pregava.

    Segundo os autos que correm na comarca de Itapecerica da Serra (SP), o pastor abusou da confiança da adolescente, submetendo-a com questões religiosas, e, após se inteirar dos problemas da moça com a mãe, teria convencido ela a se deixar “purificar”, praticando sexo oral com ela em duas ocasiões.

    Na primeira vez, O.M.S. teria orientado R.S.B. a passar água nos seios, molestando-a em seguida. Na segunda, o pastor teria feito sexo oral na adolescente.

    Segundo a jovem, o pastor teria afirmado que “iria negar até a morte” se ela o denunciasse, mas não sabia que sua declaração estava sendo gravada, o que permitiu ao Ministério Público de São Paulo (MP-SP) a comprovar o crime.

    O réu negou o crime, alegando sofrer de impotência sexual, mas a desculpa não foi aceita pela Justiça. 

    Além do caso de abuso, o pastor também responde a um processo de homicídio qualificado datado de 1994.

    Mais:

    Suprema Corte da Índia decide rever lei que pune com 10 anos de prisão o sexo gay
    Tags:
    fraude, prisão, pastor evangélico, pedofilia, sexo oral, abuso sexual, Ministério Público, Itapecerica da Serra, São Paulo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik