07:34 02 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    11130
    Nos siga no

    Apesar de dizer recentemente que abandonaria a atual administração norte-americana "muito em breve", Anita Dunn foi implicada no escândalo de spyware Pegasus por um jornalista do The New York Times.

    A empresa israelense NSO Group, que teria criado o software de hacking Pegasus, usado por governos de todo o mundo para espionagem de jornalistas, políticos e vários ativistas, contratou a empresa de Anita Dunn, conselheira de Joe Biden, afirmou no domingo (18) Kenneth P. Vogel, jornalista do The New York Times.

    A empresa israelense NSO Group estava por trás do spyware usado para hackear jornalistas e ativistas de direitos humanos, revela uma investigação do The Washington Post.

    Não incluído na história:

    O NSO Group pagou à SKDK (empresa de Anita Dunn, assessora de Biden) por consultas até o final de 2019.

    Anita Dunn é sócia fundadora da empresa de consultoria política SKDKnickerbocker, segundo o portal da empresa. A página afirma que a consultora, que também trabalhou anteriormente como estrategista-chefe do ex-presidente norte-americano Barack Obama (2009-2017), está atualmente de licença da SKDK, mas espera-se que volte à empresa em breve.

    O NSO Group contratou a SKDKnickerbocker na primavera de 2019 para ajudar a impulsionar sua imagem e relações públicas, relataram na época a revista Fast Company e o portal The Intercept.

    Ligação ao jornalista assassinado Khashoggi?

    No domingo (18) 17 grandes veículos de imprensa internacionais publicaram uma investigação, chamada Projeto Pegasus, em que apontaram o NSO Group como o responsável por criar o software de hacking que permitiu espionar mais de 1.000 pessoas em mais de 50 países, particularmente jornalistas, ativistas e políticos.

    Um dos alegados alvos era o jornalista saudita Jamal Khashoggi, que trabalhava para o jornal The Washington Post, assassinado em 2018 no consulado saudita em Istambul, Turquia. Segundo a inteligência dos EUA, a morte de Khashoggi teria sido ordenada pelo príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, acusação que foi negada por Riad.

    Em 2018, o dissidente saudita Omar Abdulaziz, que era próximo a Khashoggi, entrou com uma ação judicial contra o NSO, alegando que a empresa ajudou a espioná-lo através de seu celular antes de ser assassinado. O processo também acusava Israel na época de vender o spyware da empresa a governos estrangeiros. No final de 2020, um juiz de Israel recusou-se a arquivar o caso, enquanto Abdulaziz continuou exigindo 600.000 shekels (R$ 930.315,31) de danos provocados pela empresa.

    No início de julho, Anita Dunn disse ao jornal Politico que estava planejando deixar a administração Biden "muito em breve".

    Mais:

    Facebook acusa hackers iranianos de espionarem militares dos EUA e desativa 200 perfis
    FBI confirma que o DarkSide é o responsável pelo ataque cibernético ao oleoduto dos EUA
    Espiões chineses estariam utilizando código fabricado pela NSA dos EUA
    Polícia de Itália prende suspeitos que teriam hackeado empresa ligada à OTAN
    Tags:
    Barack Obama, The Washington Post, Grupo NSO, The New York Times, Joe Biden, Twitter, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar