20:40 04 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    8322
    Nos siga no

    A Noruega tem procurado obter um acordo de livre comércio com a China há mais de uma década, apesar de altos e baixos diplomáticos com Pequim.

    John Bolton, ex-conselheiro de segurança dos EUA, argumentou que a China é um perigo para os países democráticos, advertindo explicitamente a Noruega, em uma entrevista de segunda-feira (5) à emissora NRK, contra o estabelecimento de uma relação comercial mais estreita com Pequim.

    "Tanto militarmente quanto política, econômica e socialmente, a China é agora uma ameaça existencial para as democracias ocidentais. A China não é mais um país comunista, mas é um país autoritário. O que representa uma ameaça em todo o espectro de nossos interesses", disse o ex-alto funcionário da administração norte-americana de Donald Trump (2017-2021).

    Em um apelo claro, ele exortou a Noruega a não assinar um acordo de livre comércio com a China, o qual o país nórdico tem procurado por mais de uma década.

    "Da maneira como a situação está agora, a Noruega não deveria assinar um acordo de livre comércio com a China. A China não pratica o livre comércio. Ao invés disso, falem com amigos e aliados e pensem mais sobre o que podem fazer juntos. Então haverá maiores chances de sucesso contra a China", disse Bolton.

    O atual governo da Noruega, liderado pelos conservadores, é a favor de um acordo de livre comércio, sobre o qual Bolton admite ser cético.

    "Bem, eu conheço membros do governo norueguês, e me decepciona ouvir isso. É preciso olhar para as questões gerais de segurança quando comercia com a China. Por exemplo, eles transformaram um produto comercial como as telecomunicações em uma arma. Huawei é uma extensão do Estado chinês. Aqui devemos pensar em autodefesa, e quanto mais rápido fizermos isso, melhor", apontou.

    Embora tenha obtido grandes benefícios através de sua adesão à Organização Mundial do Comércio (OMC), Pequim torna muito mais difícil para outros países venderem suas mercadorias para a China, argumentou John Bolton.

    John Bolton, consejero de Seguridad Nacional de EEUU
    © AP Photo / Cliff Owen
    John Bolton, consejero de Seguridad Nacional de EEUU

    Além disso, ele afirmou que a China tem "sistematicamente roubado invenções e propriedade intelectual" dos EUA, Europa, Japão e outros países, e "discrimina contra as empresas estrangeiras que tentam fazer negócios na China". Por exemplo, apesar do acordo de livre comércio em vigor, a China impede que um grande número de produtos australianos chegue a seu mercado.

    Relações sino-norueguesas

    As negociações sobre um acordo de livre comércio entre a China e a Noruega começaram ainda em 2008, mas todas as negociações foram congeladas por Pequim após a decisão da Noruega de conceder o Prêmio Nobel da Paz ao ativista político chinês Liu Xiaobo. As negociações não foram retomadas até que a premiê Erna Solberg e o rei Harald, da Noruega, tenham iniciado o que foi visto como uma viagem de reconciliação a Pequim no outono de 2018.

    John Bolton é um advogado, diplomata, consultor do Partido Republicano e comentarista político dos EUA, que serviu como embaixador norte-americano na ONU e como conselheiro de segurança nacional sob Donald Trump entre 2018 e 2019. Bolton é amplamente considerado um falcão em política externa e um defensor da mudança de regimes, entre outros, no Irã, Síria, Líbia, Venezuela, Cuba, Iêmen e Coreia do Norte.

    Mais:

    Trump diz que poderia encontrar Maduro e expressa dúvidas em relação a Guaidó, diz site
    Kremlin discorda de tese sobre perpetuação do poder na Rússia: há uma rotação constante
    Trump chama John Bolton de 'idiota' após comentários sobre cartas de Kim Jong-un
    Tags:
    China, EUA, John Bolton, Noruega, Europa, Japão, Donald Trump
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar