12:05 18 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Presidente russo Vladimir Putin e o líder dos EUA Donald Trump se cumprimentam durante encontro bilateral no G20, no Japão

    'Não se metam na eleição', brinca Trump em encontro com Putin no G20

    © REUTERS / KEVIN LAMARQUE
    Mundo
    URL curta
    710

    Com um sorriso e um sinal com os dedos, o presidente estadunidense Donald Trump disse secamente ao russo Vladimir Putin para "não se intrometer nas eleições" em sua 1ª reunião desde que um oficial concluiu que Moscou interferiu amplamente na campanha de 2016.

    O tom do comentário do presidente dos EUA fez pouco para silenciar as perguntas sobre o relacionamento de Trump com a Rússia após a conclusão do conselheiro especial Robert Mueller de que ele não poderia estabelecer uma conspiração criminosa entre a campanha de Trump e Moscou.

    O momento da cúpula do Grupo dos 20 em Osaka ecoou um dos momentos mais marcantes da presidência de Trump em Helsinque, na Finlândia. Lá, ele enfaticamente não advertiu Putin sobre a interferência eleitoral e não colocou lado com as agências de inteligência dos EUA sobre seu colega russo.

    Trump e Putin trocaram breves comentários nesta sexta-feira, a primeira vez que se sentaram juntos desde Helsinque, sobre questões que planejavam discutir quando um repórter perguntou a Trump se ele advertiria Putin a não se intrometer nas eleições de 2020.

    "É claro", respondeu o presidente. Então ele virou-se para Putin e dissimuladamente disse: "Não se intrometa nas eleições". Ele repetiu alegremente o pedido enquanto apontava para Putin, que riu.

    Trump afirmou que desfrutou de um "relacionamento muito, muito bom" com Putin e destacou que "muitas coisas positivas sairão do relacionamento".

    A reação de Putin

    Putin rejeitou repetidamente a conclusão do relatório Mueller de que a Rússia havia sistematicamente interferido na eleição de 2016 nos Estados Unidos, dizendo ao jornal Financial Times no início desta semana que se tratava de "interferência mítica".

    Putin comentou que o que realmente aconteceu foi que Trump viu mudanças na sociedade americana e se aproveitou delas.

    Putin, que destacou os movimentos populistas nacionais na Europa e na América, disse ao jornal que acha que o liberalismo - a principal ideologia política no Ocidente desde o fim da Segunda Guerra Mundial - está morto. Além disso, ele elogiou Trump por tentar impedir o fluxo de migrantes e drogas do México.

    "Essa ideia liberal pressupõe que nada precisa ser feito - que os migrantes possam matar, saquear e estuprar com impunidade, porque seus direitos como migrantes têm que ser protegidos", ponderou Putin na entrevista ao FT.

    Um migrante em Tijuana, México pula a fronteira para entrar na cidade americana de San Diego, na Califórnia.
    © AP Photo / Daniel Ochoa de Olza
    Um migrante em Tijuana, México pula a fronteira para entrar na cidade americana de San Diego, na Califórnia.

    "Todo crime deve ter sua punição. A ideia liberal tornou-se obsoleta. Entrou em conflito com os interesses da esmagadora maioria da população", acrescentou.

    O Kremlin ainda revelou que Putin convidou Trump a visitar a Rússia em 2020. O porta-voz Dmitry Peskov declarou a repórteres que o líder russo quer que Trump participe de festividades que marcam o 75º aniversário da vitória na Segunda Guerra Mundial.

    Peskov diz que Trump reagiu "positivamente" ao convite na reunião dos dois líderes à margem da cúpula do Grupo dos 20 países em Osaka. Peskov diz que um convite formal seria enviado em breve.

    Lados opostos

    Enquanto Trump há muito tempo coloca um prêmio em estabelecer laços pessoais estreitos com Putin, seu governo aumentou as sanções e outras pressões sobre o governo russo.

    Os Estados Unidos e a Rússia também estão em lados opostos da crescente crise com o Irã, que abateu um drone norte-americano na semana passada. Trump rejeitou um possível ataque retaliatório e destacou nesta sexta-feira que "não há pressa" para aliviar as tensões com Teerã.

    Em uma cúpula em novembro passado na Argentina, Trump não se encontrou com Putin depois que a Rússia tomou dois navios ucranianos e sua tripulação no mar de Azov. Esses membros da tripulação permanecem detidos, mas Trump optou por avançar com a reunião de Osaka. Trump afirmou, ao lado de Putin, que o destino dos marinheiros ainda não foi discutido.

    Os líderes também anunciaram o fim de um importante pacto de controle de armas, o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário de 1987. Está programado para terminar neste verão, aumentando os temores de uma nova corrida armamentista. Outro grande acordo nuclear, o Tratado do Novo Início, deverá expirar em 2021, a menos que Moscou e Washington negociem uma prorrogação.

    A Casa Branca disse após a reunião de sexta-feira que os líderes concordaram em continuar falando sobre um "modelo de controle de armas do século 21", que Trump disse que precisa incluir a China. Além do Irã, os dois líderes também discutiram a Síria, a Venezuela e a Ucrânia. Os EUA e a Rússia também estão em lados opostos nessas três questões.

    Críticas ao relacionamento

    Mas o pano de fundo das relações EUA-Rússia continua sendo a interferência eleitoral de Moscou em 2016. Embora a reunião tenha ocorrido nas primeiras horas da manhã nos Estados Unidos, alguns foram rápidos em denunciar os comentários do presidente. Michael McFaul, que foi embaixador dos EUA na Rússia sob o comando de Barack Obama, twittou que achou a conduta de Trump "deprimente".

    "A admiração e o apaziguamento de Putin por Trump são tão bizarros", escreveu ele. "Não consigo pensar em um interesse concreto dos EUA que tenha sido promovido pelo comportamento de Trump".

    Presidente dos EUA, Donald Trump, acena ao lado do presidente chinês, Xi Jinping, após coletiva de imprensa em Pequim, 9 de novembro de 2017
    © AP Photo / Andy Wong
    Presidente dos EUA, Donald Trump, acena ao lado do presidente chinês, Xi Jinping, após coletiva de imprensa em Pequim, 9 de novembro de 2017

    A reunião com Putin ocorreu em meio a uma série de negociações sobre crises internacionais e guerras comerciais. O presidente deve se reunir neste sábado com o presidente chinês, Xi Jinping. Trump disse acreditar que há "uma chance muito boa" de que eles possam avançar para acabar com a disputa comercial.

    Trump também está de olho na corrida para substituí-lo de volta para casa. Dez democratas se reuniram em Miami, na Flórida, como parte dos primeiros debates da corrida presidencial de 2020.

    "Acabei de passar por um aparelho de televisão a caminho daqui. Vi que a assistência médica e máxima saúde foi dada a 100% dos imigrantes ilegais que entram em nosso país pelos democratas", disse Trump, dizendo à chanceler alemã Merkel durante a reunião que um debate na noite anterior "não foi muito emocionante".

    "Então, estou ansioso para passar tempo com você, em vez de assistir", complementou. Merkel não reagiu.

    Mais tarde, enquanto se encontrava com o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, Trump passou de uma discussão sobre a crise na Venezuela para declarar que havia ouvido rumores de que o Partido Democrata mudaria seu nome para o Partido Socialista. "Estou ouvindo isso, mas vamos ver se eles fazem isso", disse Trump. Não houve tais rumores.

    Mais:

    Putin: Rússia é líder na criação de armamento moderno mesmo gastando modestamente
    Putin diz que espera que EUA percebam que sanções contra Moscou 'são um grande erro'
    Putin diz que tentativa de destruir OMC é inadmissível e defende reforma no FMI
    Tags:
    Robert Mueller, interferência russa, diplomacia, relações bilaterais, G20, Kremlin, Dmitry Peskov, Vladimir Putin, Donald Trump, Irã, México, Japão, Rússia, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar