21:27 20 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Quebra-gelos estadunidense Polar Star

    EUA pretendem fortalecer liderança no Ártico e desafiar influência da China e Rússia na região

    CC0 / Guarda Costeira dos EUA
    Mundo
    URL curta
    302
    Nos siga no

    EUA afirmam serem uma "nação ártica". Assim, para proteger "interesses nacionais duráveis nessa região", a Guarda Costeira do país deve diminuir as ameaças por parte de Moscou e Pequim.

    O assessor de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, insistiu durante seu discurso na Academia da Guarda Costeira americana que é necessário fortalecer a liderança dos Estados Unidos e diminuir as ameaças aos interesses de Washington na região provenientes da China e da Rússia.

    "Vocês ajudarão os Estados Unidos a desafiar a crescente influência militar russa no Ártico e farão retroceder as pretensões ilegítimas da China quanto ao Ártico'", declarou ele perante 240 cadetes da Academia.

    Ao mesmo tempo, Bolton revelou que a Guarda Costeira dos EUA receberá "em breve" um novo quebra-gelo que "abrirá o caminho para reafirmar a liderança" do país norte-americano no Ártico.

    Este navio será o primeiro de muitos quebra-gelos do programa Polar Security Cutter do presidente dos EUA, Donald Trump, desenhado para renovar a frota estadunidense, que está envelhecendo. Outra tarefa vital da nova embarcação é permitir uma presença do país nas regiões polares durante todo o ano.

    "Os Estados Unidos são uma nação ártica com interesses nacionais duráveis nessa região'', concluiu Bolton.

    Nessa conexão, o professor da Escola Superior de Economia, Aleksandr Domrin, enfatizou ao serviço russo da Rádio Sputnik que John Bolton pretende exercer influência sobre Donald Trump e mudar o rumo político dos EUA para um conflito armado com a Rússia.

    O assessor de Segurança Nacional "continua sua linha em direção a um confronto armado com a Rússia". Ao mesmo tempo, ele sabe bem que Trump não fará isso "nem por causa do Ártico, nem por outra razão".

    "Infelizmente, Bolton representa o círculo mais russófobo. Portanto, não estou surpreendido com essa declaração, mas estou absolutamente convencido que Trump não irá ceder a essas persuasões", concluiu.

    Não obstante, mais cedo foi relatado que o governo dos EUA continua ignorando o estado deplorável de seus quebra-gelos. Em particular, em 2018 o Senado alocou US$ 750 milhões (R$ 2,88 bilhões) para melhorar a frota do Ártico, mas depois esses fundos foram redirecionados para a construção do muro na fronteira com o México.

    Ao mesmo tempo, a Rússia já está se preparando ativamente para defender seus interesses no Ártico. As Forças Armadas russas receberam os submarinos mais avançados, bem como aviões e tanques adaptados às condições árticas. Ademais, a Rússia tem uma poderosa frota que conta com 40 quebra-gelos, e logo planeja criar navios de guerra capazes de navegar nos mares gelados e transportar mísseis de cruzeiro.

    Mais:

    Dinamarca considera Ártico como 'zona de baixa tensão' mas ameaça Rússia com caças
    China critica Pompeo e adverte contra 'comportamento agressivo' no Ártico
    Rússia apoia realização de cúpula dos países do Ártico, diz Lavrov
    Tags:
    interesse nacional, liderança, Donald Trump, John Bolton, Ártico, Rússia, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar