10:47 20 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Ministério das Relações Exteriores da Rússia

    Moscou: nível de potencial de conflito mundial atinge marca perigosa

    © Sputnik / Natalia Seliverstova
    Mundo
    URL curta
    2150

    Os representantes dos países que possuem armas nucleares, ou "clube nuclear" - os EUA, o Reino Unido, a Rússia, França e China – se encontraram na quarta-feira (30) em Pequim. O vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov, declarou que o nível do potencial de conflito mundial atingiu uma marca perigosa.

    "A situação na esfera de segurança internacional não se estabilizou e até continua piorando. O nível do potencial de conflito atingiu uma marca perigosa", assinalou Ryabkov.

    De acordo com ele, a Rússia testemunha o declínio da estabilidade estratégica no mundo, causado pelas tentativas de vários países de "abalar a arquitetura dos regimes de não proliferação e controle de armas".

    Moscou está igualmente preocupada pelo fato de alguns países mudarem as suas doutrinas, baixando o limite para uso de armas nucleares.

    O vice-ministro russo afirmou que os representantes dos cinco países com armas nucleares recusaram coordenar uma declaração conjunta durante o encontro em Pequim.

    "Não deixa de nos preocupar o fato de que todos esses acontecimentos ocorrem no contexto de aumento da falta de confiança mútua entre os membros do 'clube nuclear', o que representa um desafio sem precedentes para tal formato. A situação é tão grave que, desta vez, tivemos até de recusar adotar a declaração final", declarou Ryabkov.

    "Por isso o assunto apresentado pela Rússia sobre o papel e lugar dos 'cinco Estados' no contexto de reforço do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares, bem como na perspectiva mais ampla, se torna especialmente relevante", ressaltou.

    Posteriormente, à margem do encontro, Sergei Ryabkov disse aos jornalistas que se encontraria separadamente com a subsecretária dos EUA para o Controle de Armas e Assuntos de Segurança, Andrea Thompson, na quinta-feira (31).

    Em 4 de dezembro o secretário de Estado dos EUA Mike Pompeo declarou que os EUA iriam suspender suas obrigações no Tratado das Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF) em 2 de fevereiro se a Rússia não apresentasse provas de que está cumprindo o acordo.

    O Tratado INF, assinado por Washington e Moscou em 1987, não tem data de expiração e proíbe as partes de terem mísseis balísticos terrestres ou mísseis de cruzeiro com alcance entre 500 e 5.500 quilômetros.

    Nos últimos tempos, Moscou e Washington têm se acusado regularmente de violar o Tratado INF. A Rússia declarou repetidas vezes que cumpre rigorosamente todas as obrigações dos termos do acordo.

    O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, observou que a Rússia tem sérios questionamentos a fazer em relação à implementação do Tratado pelos próprios norte-americanos. Segundo ele, as acusações dos EUA são infundadas, uma vez que o míssil 9M729 foi testado no alcance permitido pelo acordo. Lavrov acredita também que a retirada dos EUA do Tratado INF vai pôr em risco o Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares.

    Mais:

    Revelados detalhes do projeto de submarino quebra-gelo nuclear russo (FOTO)
    Submarino nuclear da Marinha Real britânica quase colide com embarcação no mar da Irlanda
    Especialista alemão avalia chances de EUA repelir ataque nuclear russo
    Mídia americana aponta que arma da Rússia é mais mortífera que a nuclear
    Tags:
    potencial, nuclear, diálogo, conflito, Tratado de Forças Nucleares de Faixa Intermediária (INF), Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares, Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov, China, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar