18:39 25 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Explosão nuclear (imagem referencial)

    Quais são as chances de apocalipse nuclear? Cientista político avalia

    CC0 / geralt
    Mundo
    URL curta
    230

    Impossível acontecer uma guerra nuclear como consequência das tensões entre a Rússia e o Ocidente, afirma o cientista político Enrique Refoyo em entrevista à Sputnik Mundo.

    Refoyo esclarece que o medo da guerra tende a ser explorado com o propósito de cercear liberdades e condições de vida dos cidadãos.

    Segundo o analista, a consciência de "pelo menos nos grandes países" de que eles perderão tudo se a escalada atingir o ponto nuclear é o que impossibilita um apocalipse nuclear. No entanto, essa "conversa fiada" das lideranças mundiais serve como cortina de fumaça para esconder problemas e inimigos internos. 

    O fato é que essa retórica é falha quanto a cobrir o fracasso das políticas internas no Ocidente. Um exemplo disso são os protestos massivos dos chamados "coletes amarelos" na França.

    Conforme Refoyo, a revolta dos "coletes amarelos" na França é apenas uma faísca que tende a incendiar os ânimos dos cidadãos dos países da União Europeia devido ao aumento contínuo do custo de vida e as crescentes restrições de direitos e liberdades. Diante desse cenário, as autoridades elegem bodes expiatórios como a Rússia para desviar atenção da população, o que também tem se mostrado inútil. Os ataques ao presidente da Rússia, Vladimir Putin, tiveram um efeito contrário: a popularidade de Putin disparou entre o povo russo, ressalta Refoyo em conversa com a Sputnik Mundo

    Em sua análise, o cientista político também previu um agravamento dos "problemas trabalhistas e de segurança", referindo-se ao terrorismo, e um aumento da retórica de uma guerra nuclear em circunstância em que "todo mundo tem armas e todo mundo quer usá-las".

    Mais:

    Revista dos EUA vê detalhes marcantes em nova arma de artilharia autopropulsada da Rússia
    'Rússia tem última chance': OTAN exige cumprimento do Tratado INF
    EUA vão pôr fim a operações militares que não recebem apoio suficiente de outros países
    Tags:
    política interna, guerra nuclear, terrorismo, Ocidente, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar