21:33 19 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    O presidente da Venezuela com o seu homólogo chinês, Xi Jinping, durante o encontro em Pequim

    China ajudará Venezuela a resistir a sanções dos EUA

    © AP Photo / Andy Wong
    Mundo
    URL curta
    8110

    A China e a Venezuela assinaram quase três dezenas de acordos sobre a cooperação estratégica, inclusive nas esferas sensíveis que são alvo das sanções dos EUA, tais como as áreas de petróleo, gás, mineração, tecnologia, segurança e finanças. Este é o resultado principal da visita do presidente venezuelano Nicolás Maduro à China.

    Nicolás Maduro sublinhou que os acordos assinados reforçam a tendência de aumento dos investimentos chineses nas companhias conjuntas de petróleo e gás. Sabe-se que esta é justamente uma das esferas sujeitas às sanções norte-americanas.

    Foi alcançado um acordo de prospeção e extração conjunta de gás entre a Corporação Nacional de Exploração de Gás da China (CNODC) e a empresa Venezuelan Oil Company, PDVSA. É também destacado o acordo entre a companhia chinesa Yakuang Group e o parceiro venezuelano sobre a prospeção e exploração conjunta de ouro, o memorando de entendimento entre a companhia de tecnologia ZTE e o Ministério da Saúde venezuelano.

    Entretanto, não são referidos novos empréstimos de Pequim a Caracas. A edição Financial Tribune ressaltou que a empresa estatal venezuelana PDVSA cederá à Corporação Nacional de Petróleo da China (CNPC) 9,9% das ações da empresa conjunta Sinovensa, na qual a China já tem 40%.

    O jornal The Santiago Times sublinhou as palavras de Xi Jinping de que a China avalia positivamente a compreensão e apoio por parte da Venezuela dos seus principais interesses e irá apoiar os esforços do governo venezuelano em busca de um caminho estável de desenvolvimento.

    Agora na Venezuela têm lugar mudanças bastante sérias, ressaltou em entrevista à Sputnik China o especialista Alexandr Kharlamenko, do Instituto da América Latina. Elas devem contribuir para o desenvolvimento das relações sino-venezuelanas, antes de tudo, para a realização do programa de reorganização da economia nacional, anunciado pelo presidente em agosto. O analista destacou que essas medidas são encaradas por grande parte da sociedade venezuelana com compreensão. Até mesmo a oposição pró-americana tem estado mais conciliadora.

    "É, antes de mais, um sinal claro de que a China continua e até reforça as relações com a Venezuela como um parceiro estratégico. Essa parceria foi estabelecida ainda em 1999 nos tempos de Hugo Chávez", comenta Kharlamenko.

    Segundo o especialista, houve muitas especulações no Ocidente, na América Latina e na própria Venezuela de que a China poderia abandonar as relações prioritárias com a Venezuela em busca de laços mais vantajosos com regimes de direita da região. Mas a China tem vindo a reafirmar os seus interesses, nunca dando fundamentos reais a tais especulações.

    O analista chinês Xu Feibiao também opina que a visita de Nicolás Maduro confirmou a continuidade das relações entre os dois países.

    "A cooperação entre a China e Venezuela se desenvolvia muito bem mesmo antes da guerra comercial entre os EUA e a China e das sanções impostas pelos Estados Unidos à Venezuela. Antes da crise política e financeira na Venezuela, Pequim e Caracas já cooperavam de forma bastante estreita em todo o processo industrial, desde a pesquisa até à exploração de recursos de petróleo e gás", destaca o analista chinês.

    Ele acrescenta que a China concedeu grandes empréstimos e investimentos à Venezuela. O desenvolvimento das relações sino-venezuelanas ajudará a recuperação econômica, estabilizará os meios de subsistência da população, bem como contribuirá para o desenvolvimento estável de toda a região, destaca. No mesmo tempo, o desenvolvimento econômico do país garantirá a segurança dos grandes investimentos chineses.

    "Nos últimos tempos os EUA têm agitado constantemente a ameaça das sanções. Eles não apenas impuseram sanções contra a Rússia, o Irã e a Turquia, mas também contra a Venezuela. O desenvolvimento da cooperação entre a China e a Venezuela tem seus próprios motivos. Na verdade, eles são ditados na sua maioria por interesses bilaterais, e não por motivos de resistência aos EUA. Este é o fundamento da política chinesa", comentou Xu Feibiao.

    O jornal chinês Global Times ressalta que não se pode negar o aumento da presença chinesa na Venezuela e que os EUA encaram esta presença com ceticismo por razões geopolíticas.

    Mais:

    Por que China aposta na aliança estratégica com Venezuela?
    Trump está prestes a anunciar US$ 200 bi em tarifas sobre a China, diz jornal
    China: guerra de tarifas não acabará com déficit comercial dos EUA
    Analista: China tenta diminuir influência dos EUA na América Latina através de Maduro
    Tags:
    sanções econômicas, acordos, ajuda, Nicolás Maduro, Xi Jinping, Venezuela, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik