16:55 14 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Funcionário conta notas de lira turca em casa de câmbio de Istambul, Turquia.

    Turquia retaliará se EUA impuserem mais sanções, diz ministro

    © REUTERS / Murad Sezer
    Mundo
    URL curta
    141

    A Turquia ameaçou responder se os Estados Unidos introduzirem novas sanções por causa da detenção do pastor americano Andrew Brunson que levou a um impasse diplomático entre os dois países, informa a agência AFP.

    Em meio à deterioração crescente das relações entre Washington e Ancara, o secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, declarou ontem (16) que os EUA estão prontos para impor novas sanções se a Turquia não libertar o pastor Andrew Brunson, acusado de ter ajudado no golpe de Estado fracassado de 2016.

    "Já respondemos nos baseando nas regras da Organização Mundial do Comércio e continuamos fazendo isso", disse o ministro do Comércio turco, Ruhsar Pekcan, citado pela agência estatal Anadolu.

    A afirmação vem um dia após Pekcan ter dito que Ancara iria reclamar as tarifas recentemente impostas pelos EUA na Organização Mundial do Comércio.

    Na sexta-feira passada (10), o líder estadunidense Donald Trump anunciou ter autorizado o aumento das tarifas sobre o alumínio (para 20%) e aço (para 50%) importados da Turquia, causando uma desvalorização histórica da moeda nacional turca diante do dólar.

    Em resposta, a Turquia elevou drasticamente os impostos sobre importações norte-americanas. Em particular, as taxas sobre as importações de tabaco subirão 60%, sobre álcool aumentarão 140% e os impostos sobre automóveis — 120%. Ancara também elevou 50% os impostos sobre arroz dos EUA e 60% sobre os produtos cosméticos.

    Mais:

    Turquia sai da lista dos maiores detentores de dívida pública dos EUA
    EUA não pretendem negociar remoção de tarifas sobre a Turquia
    Tags:
    dólar, lira turca, retaliação, sanções, Organização Mundial do Comércio, Departamento de Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, Donald Trump, Turquia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik