06:39 18 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Agentes de polícia do centro de Barcelona, Catalunha, em 18 de agosto de 2017

    Justiça argentina admite processo contra o Estado espanhol

    © Sputnik /
    Mundo
    URL curta
    231

    A justiça argentina admitiu um processo contra a Espanha pela morte de um manifestante no final da década de 1970, segundo informou nesta terça-feira o portal VilaWeb.

    Gustavo Adolfo Muñoz i Bustillo, ou Gustau Muñoz, foi assassinado a tiros pela polícia espanhola em Barcelona no ano de 1978. Ele era um militante de esquerda da juventude do Partido Comunista da Espanha e tinha apenas 16 anos quando foi morto, durante manifestações do Dia Nacional da Catalunha, comemorado em 11 de setembro. 

    A queixa contra o Estado espanhol, apresentada pela família da vítima, foi redigida pelo advogado da entidade Casal Argentino de Barcelona em Buenos Aires, Alejandro Nató, segundo o qual o crime em questão seria contra a humanidade, e, por isso, não prescreve e pode ser julgado em outro país.

    Nató exige que a justiça espanhola entregue à argentina toda a documentação referente ao caso e que localize o agente responsável pelo disparo que provocou a morte de Muñoz, identificado como José Luís Varela. A família do militante, por sua vez, espera agora que a magistrada competente, a juíza María Romilda Servini, determine os próximos passos a serem seguidos. 

    Mais:

    General da Bósnia é preso por crimes de guerra e contra a humanidade
    ONU: na Venezuela podem ter sido cometidos crimes contra a humanidade
    Tags:
    crimes contra a humanidade, justiça, Dia Nacional da Catalunha, Partido Comunista da Espanha, Casal Argentino de Barcelona, Alejandro Nató, Gustau Muñoz, Buenos Aires, Catalunha, Barcelona, Espanha, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik