04:09 18 Julho 2018
Ouvir Rádio
    O presidente dos EUA, Donald Trump, à direita, fala à primeira-ministra britânica Theresa May durante um jantar de trabalho na sede da OTAN, durante uma cúpula de chefes de Estado e de governo da Otan em Bruxelas (arquivo)

    ONU: EUA, França e Reino Unido esperam que Rússia e China apoiem resolução sobre a Síria

    © AP Photo / Matt Dunham
    Mundo
    URL curta
    EUA e aliados efetuam ataque de mísseis contra Síria (90)
    10012

    O Reino Unido e seus aliados no Conselho de Segurança da ONU, Estados Unidos e França, esperam que a China e possivelmente a Rússia apóiem seu novo projeto de resolução sobre mecanismos de investigação sobre o suposto uso de armas químicas na Síria, disse a embaixadora britânica na ONU, Karen Pierce, à Fox News no domingo (15).

    No sábado (14), França, Estados Unidos e Reino Unido entregaram aos outros 12 membros do Conselho de Segurança um novo projeto de resolução sobre a Síria, que abordaria a questão das armas químicas, bem como os problemas políticos e humanitários.

    "Eu acho que representa a vontade da grande maioria das pessoas no Conselho de Segurança, incluindo a China. Então, nos próximos dias e semanas, nós vamos correr atrás disso com o Secretário-Geral, e esperamos que os russos voltem à sintonia internacional e nos ajudem a resolver este conflito", disse Pierce.

    O novo projeto de resolução supostamente apela a garantir o acesso humanitário a áreas sitiadas, cessar-fogo e também exige a participação de Damasco em negociações de paz sob os auspícios das Nações Unidas. Além disso, o projeto de resolução propõe a realização de investigações independentes sobre os ataques químicos relatados na Síria.

    Em 10 de abril, o Conselho de Segurança da ONU não adotou nenhuma das duas resoluções esboçadas pelos russos, e pediu uma investigação sobre o recente ataque químico na cidade síria de Douma, porque os diplomatas da Rússia e dos Estados Unidos estavam usando seus poderes de veto bloqueando mutuamente seus projetos.

    "Nós preferiríamos voltar a um estágio em que a Rússia trabalhasse com o resto do P-5 e com o Conselho de Segurança para encontrar uma maneira de trazer o regime de Assad à mesa de negociações, e voltar ao processo político, para ter um cessar das hostilidades, para desmantelar as armas químicas e para que haja responsabilidade", acrescentou Pierce.

    Na noite da sexta-feira (13), os Estados Unidos, a França e o Reino Unido lançaram ataques a vários alvos na Síria em resposta ao suposto uso de armas químicas na cidade de Douma. Os estados ocidentais acusaram as forças do presidente sírio Bashar Assad pelo incidente. A liderança síria negou qualquer envolvimento no ataque e convidou os especialistas da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) para investigar as acusações.

    De acordo com o Ministério da Defesa da Rússia, os três países dispararam mais de 100 mísseis de cruzeiro e ar-terra, a maioria dos quais foi abatida pela defesa aérea síria. De acordo com Damasco, que alega ter eliminado seus estoques de armas químicas, o ataque danificou a infraestrutura síria e deixou três civis feridos.

    O presidente russo, Vladimir Putin, afirmou no sábado (que as greves foram realizadas em violação das normas e princípios do direito internacional.

    Tema:
    EUA e aliados efetuam ataque de mísseis contra Síria (90)

    Mais:

    'Está comprovado': arsenal químico na Síria foi destruído, diz ministério russo
    Trump avisou o Congresso dos EUA sobre ataque na Síria
    Reino Unido acusa Rússia de barrar investigações sobre armas químicas na Síria
    Em documento final, Liga Árabe não inclui críticas ao ataque químico na Síria
    Tags:
    Guerra da Síria, Conselho de Segurança da ONU, Karen Pierce, Theresa May, Estados Unidos, Reino Unido, China, EUA, França, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik