10:27 19 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    O secretário-geral da ONU, António Guterres (foto de arquivo)

    Secretário-geral da ONU: 'Guerra Fria está de volta'

    © REUTERS / Michaela Rehle
    Mundo
    URL curta
    951

    O secretário-geral da ONU, António Guterres, advertiu o Conselho de Segurança da organização de que as tensões no Oriente Médio representam uma ameaça à paz global e pediu às partes envolvidas que evitem a escalada militar iminente na Síria.

    Em seu discurso, proferido nesta sexta-feira, Guterres disse que muitos conflitos no Oriente Médio mergulharam a região no caos que ameaça a paz e a segurança. No entanto, estes incluem não apenas conflitos regionais, como a divisão entre xiitas e sunitas, ou o conflito palestino-israelense, e também o confronto entre a Rússia e o Ocidente.

    "A Guerra Fria está de volta", disse Guterres.

    "Os mecanismos e salvaguardas para lidar com os riscos de escalada que existiam no passado não parecem mais estar presentes", disse ele.

    Mas a situação na Síria representa "a mais séria ameaça à paz e segurança internacionais", alertou o político.

    "Na Síria, vemos confrontos e guerras indiretas envolvendo vários exércitos nacionais, vários grupos armados de oposição, muitas milícias nacionais e internacionais, combatentes estrangeiros de todo o mundo e várias organizações terroristas", destacou.

    Guterres lamentou o fracasso do Conselho de Segurança esta semana para emitir um mandato para investigar relatos de uso de armas químicas na Síria e ofereceu seu apoio à inspeção da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), atualmente em curso na cidade de Duma. Além disso, ele convocou os membros do Conselho para superar suas diferenças e começar a agir de acordo com sua posição.

    "O aumento das tensões e a incapacidade de chegar a um compromisso no estabelecimento de um mecanismo de responsabilização ameaçam levar a uma escalada militar total", alertou ele. 

    "Em meus contatos com vocês, especialmente com os membros permanentes do Conselho de Segurança, reiterei minha profunda preocupação com os riscos do impasse atual e sublinhei a necessidade de evitar que a situação saia do controle."

    Durante toda a semana, os EUA e seus aliados estão decidindo se recorrem à força militar para retaliar o governo sírio pelo suposto ataque com armas químicas na cidade de Douma.

    A Rússia, por outro lado, afirma que o incidente na localidade síria foi uma farsa e alega possuir "dados irrefutáveis" que confirmam a sua versão, como afirmou nesta sexta-feira o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov.

    Mais:

    Quase uma semana depois, OPAQ inicia investigação sobre ataque na Síria
    Conexão entre caso Skripal e ataque químico na Síria tem lógica, diz embaixador russo
    Destróier 'Winston Churchill' se junta à 6ª frota dos EUA próximo à Síria
    Ataque à Síria contraria interesses da França e a lei internacional, diz eurodeputado
    Grécia se recusa a participar de ataque à Síria
    Analista: Trump gosta de blefar e Washington não está em posição de atacar Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik