22:59 21 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Andrei Klimov, o chefe da Comissão de Proteção da Soberania do Estado do Senado russo.

    'Eles não são suicidas': senador russo acha improvável que EUA ataquem na Síria

    © Sputnik / Alexey Filippov
    Mundo
    URL curta
    11300

    A Rússia não será forçada a enviar reforços à Síria, já que é improvável que os Estados Unidos realizem uma operação militar maior na região. É o que afirmou no domingo (8) o chefe da Comissão de Proteção da Soberania do Estado do Senado russo, Andrey Klimov.

    No sábado (7), vários meios de comunicação, citando militantes sírios, acusaram Damasco de usar armas químicas na cidade de Duma. O assessor de segurança interna do presidente dos EUA, Donald Trump, Tom Bossert, disse no domingo (8) que não descartou ações militares contra o governo sírio em como forma de retaliação. Ao mesmo tempo, Trump acusou a Rússia e o Irã de apoiarem o líder sírio Bashar Assad.

    "Eu não acredito que a Rússia tenha que implementar reforços na Síria. Fazer campanhas de propaganda é uma coisa, agir no chão é outra completamente diferente. Os norte-americanos são maus no último nível […] Eles atacarão indivíduos com novas sanções e expulsarão diplomatas. Mas eles não são suicidas para iniciar operações sérias [na Síria]", afirmou Klimov.

    O legislador não descartou que os Estados Unidos pudessem encenar provocações com a ajuda das facções da oposição síria que mantém sob controle.

    Klimov enfatizou que enxerga as declarações de Washington como uma provocação, observando, no entanto, que  posição dos EUA era bastante clara.

    "Os Estados Unidos designaram [a Rússia], juntamente com o Irã e a Coreia do Norte, como seus adversários em sua legislação. Esta campanha anti-Rússia continuará, especialmente depois que a provocação do Reino Unido e dos EUA com o caso Skripal falhou", concluiu o legislador.

    Mais cedo no domingo (8), o Centro de Reconciliação Síria do Ministério da Defesa da Rússia refutou as acusações sobre o uso de uma bomba de cloro em Duma, na Síria, acrescentando que estava pronta para enviar seus especialistas em proteção química para provar a natureza artificial das declarações.

    O Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse que as acusações sobre o suposto uso de armas químicas pelas forças do governo sírio visavam encobrir os terroristas e justificar uma possível ação militar externa. 

    O Ministério alertou contra qualquer ação militar baseada em relatórios improvisados e fabricados, acrescentando que isso pode ter conseqüências severas.

    Mais:

    França e EUA prometem 'resposta dura' ao suposto ataque químico na Síria
    'Farsa': militares russos negam uso de armas químicas na Síria
    Após suposto ataque químico, base aérea síria é atingida por mísseis
    EUA querem provocar Moscou com declaração sobre Síria, diz parlamentar russo
    Tags:
    Guerra da Síria, Bashar Assad, Tom Bossert, Donald Trump, Andrey Klimov, Damasco, Síria, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik