00:03 22 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Boris Johnson discursa no BBC, março de 2016

    Chanceler britânico: mantra 'Assad tem que sair' não é mais víavel

    © REUTERS / Jeff Overs/BBC
    Mundo
    URL curta
    27322

    O ministro das Relações Exteriores do Reino Unido, Boris Johnson, disse nesta quarta-feira que enquanto o presidente da Síria, Bashar Assad, temer uma punição pela mortes de civis no país, o velho slogan "Assad deve sair" não é mais sustentável.

    "É o medo de uma acusação que provavelmente é mais poderoso do que qualquer outra coisa, mas o velho mantra 'Assad deve sair' certamente não é o que está funcionando no momento", disse Johnson ao Comitê de Assuntos Internacionais da Câmara dos Comuns do Reino Unido ao ser perguntado se existe uma maneira de o Reino Unido influenciar a partida ou a acusação de Assad.

    Johnson acrescentou que, com Assad atualmente controlando 75% da população e 50% do território, há "uma enorme quantidade de mortes ainda por vir", então a melhor coisa, segundo ele, seria "voltar à mesa [de negociações] em Genebra e começar o processo de um novo acordo constitucional para a Síria. 

    A saída de Assad tem sido uma prioridade para vários países, incluindo os Estados Unidos, o Reino Unido e a França. A Rússia apoia militarmente Assad desde 2015 a pedido de Damasco.

    A guerra civil na Síria acontece desde 2011 em um conflito que as forças do governo enfrentam grupos da oposição e organizações terroristas, incluindo o Daesh (Estado Islâmico) e a Frente al-Nusra.  


    Tags:
    guerra civil, conflito, Bashar Assad, Boris Johnson, Reino Unido, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik