11:48 05 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    Envenenamento de ex-espião russo (102)
    815
    Nos siga no

    Os especialistas da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) precisarão de pelo menos três semanas para analisar a substância com a qual foram envenenados o ex-espião russo Sergei Skripal e sua filha.

    "É um trabalho técnico que será realizado assim que as amostras chegarem nos Países Baixos, serão enviados aos laboratórios de La Hague e a outros laboratórios específicos; isso levará um tempo, os laboratórios precisam de duas a três semanas para finalizar a análise, portanto devemos pensar em pelo menos três semanas", disse o diretor-geral da organização internacional, Ahmet Uzumcu, a jornalistas. 

    As relações entre Moscou e Londres se deterioraram no início de março após o ex-oficial de inteligência russa Sergei Skripal e sua filha terem sido encontrados inconscientes perto de um centro comercial na cidade de Salisbury.

    A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, afirmou que é "altamente provável" que a Rússia fosse responsável pelo incidente, uma vez que os dois foram supostamente envenenados com o agente químico A-234 A-234 (também conhecida como "Novichok"), desenvolvido na União Soviética. 

    Neste sábado (17), a Rússia anunciou medidas de retaliação contra o Reino Unido, declarando 23 funcionários da Embaixada do Reino Unido em Moscou como personae non gratae em resposta ao movimento de Londres.

    Tema:
    Envenenamento de ex-espião russo (102)

    Mais:

    Diplomatas russos expulsos devido a caso Skripal deixam embaixada de Londres
    Gás nervoso no caso Skripal 'poderia ter sido produzido pelos próprios britânicos'
    Caso Skripal: OTAN declara apoio ao Reino Unido
    Embaixador russo critica Londres por falta de transparência no caso Skripal
    Tags:
    envenenamento, espião, Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), Sergei Skripal, Moscou, Londres, Reino Unido, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar