18:23 25 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Policiais britânicos examinando o banco onde o ex-espião russo Sergei Skripal e sua filha foram encontrados inconscientes, Salisbury, Reino unido, 8 de março

    EUA teriam tido acesso à substância alegadamente usada para envenenar ex-espião russo?

    © REUTERS / Peter Nicholls
    Mundo
    URL curta
    Envenenamento de ex-espião russo (101)
    18152

    Quase 20 anos atrás, o Departamento de Defesa dos EUA esteve envolvido no desmantelamento de um instituto de investigação química na antiga república soviética do Uzbequistão, onde fora testado o agente neurotóxico Novichok, com o qual o ex-espião russo Sergei Skripal teria supostamente sido envenenado no Reino Unido.

    De acordo com um artigo do New York Times publicado em 1999, os Estados Unidos cooperaram estreitamente com a antiga república soviética de Uzbequistão para descontaminar o instituto de pesquisas químicas na cidade de Nukus, descrito pelo jornal norte-americano como "uma das maiores instalações da antiga URSS para testar armas químicas".

    O artigo diz que o Pentágono planejava destinar seis milhões de dólares para desmilitarizar a instalação de Nukus.

    "Desertores soviéticos e autoridades norte-americanas dizem que a fábrica de Nukus era o maior lugar de pesquisas e testes de uma nova classe de armas químicas secretas e de alta letalidade, chamadas 'Novichok', o que significa em russo 'novato'", sublinhou o jornal.

    Segundo o New York Times, foi um dos cientistas do instituto, Vil Mirzayanov, quem afirmou pela primeira vez que a União Soviética produzia alegadamente armas químicas, violando as convenções internacionais.

    A usina fora construída em 1986 propositadamente para testar a "arma química binária Novichok, desenvolvida para evitar ser detectada pelos inspetores internacionais".

    Após ter se tornado independente da União Soviética, o então presidente do Uzbequistão, Islam Karimov, decidiu renunciar às armas de destruição em massa por se preocupar com a saúde da população e o meio-ambiente.

    "Desde então, o seu governo tem trabalhado estreitamente com representantes da Defesa dos EUA, concedendo-lhes acesso a lugares aonde seus colegas russos ainda não são admitidos", diz o New York Times.

    Em 12 de março, a premiê britânica, Theresa May, responsabilizou a Rússia pelo envenenamento do ex-espião russo Sergei Skripal e sua filha Yulia Skripal, após estes terem sido encontrados inconscientes na cidade de Salisbury, Reino Unido.

    Em resposta, Moscou reiterou que não apenas interrompeu a produção do gás neurotóxico Novichok, alegadamente usado para envenenar Skripal, mas também destruiu todos os seus estoques, o que foi confirmado por observadores internacionais da Organização para a Proibição de Armas Químicas.

    O ex-agente secreto russo Sergei Skripal e sua filha teriam sido envenenados por uma substância tóxica em Salisbury, em 4 de março. Moscou rejeita veementemente todas as acusações.

    Tema:
    Envenenamento de ex-espião russo (101)

    Mais:

    Polícia britânica investiga misteriosa morte de empresário russo em Londres
    Rússia convoca embaixador britânico após acusações sobre envenenamento de ex-espião
    Tags:
    acusações, investigação, morte, envenenamento, Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), Yulia Skripal, Sergei Skripal, Theresa May, Uzbequistão, EUA, Rússia, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik