10:42 21 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Presidente Trump discursa perante a Assembleia Geral da ONU (foto de arquivo)

    Trump anuncia maior pacote de sanções já aplicado contra Coreia do Norte

    © Sputnik / Nikolay Lazarenko
    Mundo
    URL curta
    1069

    Os EUA estão adotando o maior pacote de sanções já elaborado contra a Coreia do Norte, disse Donald Trump nesta sexta-feira, segundo a Casa Branca.

    "Hoje eu anuncio o lançamento do maior pacote de sanções já elaborado contra o regime norte-coreano. O Departamento do Tesouro adotará em breve novas medidas para continuar cortando as fontes de recursos e de combustível, que o regime usa para financiar o seu programa nuclear e para a manutenção das suas Forças Armadas", declarou Trump.

    A lista de sanções contemplará 56 navios, empresas de transporte marítimo e importadoras que, segundo Washington, estão ajudando a Coreia do Norte a driblar as sanções já existentes.

    A situação na península da Coreia escalou em 2017, depois da Coreia do Norte ter realizado uma série de lançamentos de mísseis, bem como um teste nuclear. O Conselho de Segurança da ONU adotou diversas resoluções condenando Pyongyang e instalou o regime de sanções mais rígido já adotado no século XXI.

    Entre outras medidas, as Nações Unidas embargaram as exportações de petróleo e derivados para a Coreia do Norte, e todos os países da ONU devem deportar os trabalhadores norte-coreanos até o fim de 2019.

    No entanto, muitas empresas driblam o embargo ao bombear petróleo para navios coreanos em alto mar.

    Mais:

    Moon Jae-in e Ivanka Trump discutem situação na península da Coreia
    Secretário-geral da ONU é 'capanga' dos EUA, acusa Coreia do Norte
    4 anos de muita Coreia: professor dos EUA mostra Pyongyang nunca antes vista (FOTOS)
    Coreia do Norte frustra encontro histórico com Pence, revela governo dos EUA
    Coreia do Sul detém desertora norte-coreana que enviava arroz a Pyongyang
    Tags:
    sanções, Donald Trump, Coreia do Norte, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik