10:04 24 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Barack Obama e Donald Trump conversam com a imprensa durante reunião na Casa Branca, em Washington, 10 de novembro de 2016

    Trump: Obama é que tem que responder por 'interferência russa'

    © AP Photo / Pablo Martinez Monsivais
    Mundo
    URL curta
    361

    O presidente dos EUA, Donald Trump, declarou nesta quarta-feira (21) que é a administração de seu antecessor, Barack Obama, que deve responder pela suposta "interferência da Rússia nas eleições".

    Ao mesmo tempo, o presidente norte-americano sugeriu que o procurador-geral, Jeff Sessions, questionasse porque isso não foi feito até o momento, tendo em vista que a suposta interferência russa teria acontecida durante o mandato de Obama. 

    "A questão é: se todas as intervenções russas ocorreram durante a administração Obama, até 20 de janeiro de 2017, por que eles não estão sendo investigados? Por que Obama não fez nada? Por que os crimes dos democratas não são investigados? Pergunte a Jeff Sessions!", escreveu Trump em seu Twitter.

    Desde o fim das eleições presidenciais nos EUA de 2016, vários países do Ocidente (Europa e EUA), acusaram a Rússia de interferir no processo eleitoral.

    Moscou repetidamente negou qualquer interferência, por sua parte, nas eleições dos EUA ou de qualquer outro país.

    Apesar disso, Washington e vários países da UE continuaram insistindo que existem "hackers" russos que teriam interferido nas eleições de outros países. No entanto, eles não conseguiram apresentar prova nenhuma das suas acusações, mas sim impor medidas restritivas de todo tipo contra Rússia.

    Mais:

    Kremlin: não há provas de interferência russa nos assuntos internos dos EUA
    'Insignificante': Assange fala sobre suposta interferência russa nos EUA
    EUA não apresentaram evidências de interferência russa nas eleições, diz enviado de Moscou
    Trump rebate acusações de interferência russa nas eleições
    Tags:
    interferência, eleições, Donald Trump, Barack Obama, Moscou, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik