10:52 10 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Julian Assange se dirige aos jornalistas e manifestantes na Embaixada do Equador em Londres

    'Insignificante': Assange fala sobre suposta interferência russa nos EUA

    © Sputnik / Alex McNaughton
    Mundo
    URL curta
    671

    A suposta interferência na eleição dos EUA em 2016 pela Agência de Pesquisa da Internet (IRA, na sigla em inglês), organização russa, foi "insignificante", independentemente do tipo de atividades na qual a empresa estava envolvida, disse o fundador da WikiLeaks, Julian Assange.

    Na sexta-feira (16), o Departamento de Justiça dos Estados Unidos revelou em documentos judiciais indiciou a Agência de Pesquisa da Internet (IRA), que tem sede em São Petersburgo, pelo suposto envolvimento em operações para interferir nas eleições de 2016, tentando influenciar o resultado em favor do presidente Donald Trump. 

    As autoridades dos EUA chamaram a empresa de uma "fazenda de troll" na internet russa, embora para o governo russo não exista evidência disso. Duas outras entidades e 13 cidadãos russos também foram indiciados.

    "Independentemente de as atividades do IRA serem a construção de audiência através da adesão às comunidades ou se o governo russo planejou aumentar as diferenças existentes, suas atividades são claramente insignificantes estrategicamente em comparação com as outras forças em jogo", Assange escreveu no Twitter na tarde deste domingo (18).

    ​Assange expressou dúvidas acerca da possibilidade de a empresa ter conseguido "dividir a América" por meio de suas atividades, como implica a acusação.

    "Os Estados Unidos têm 320 milhões de pessoas com um setor de mídia e cultura de trilhões de dólares que emprega mais de um milhão de pessoas. Eu não avalio que é possível dividir a América tentando 'aumentar as diferenças'" com uma centena de trolls [referência ao IRA]", acrescentou o fundador do WikiLeaks.

    Os Estados Unidos acusaram repetidamente a Rússia de interferir nas eleições presidenciais de 2016 e a equipe de Mueller está investigando alegações de conluio entre a Rússia e a campanha Trump. Donald Trump e as principais autoridades russas têm repetidamente refutado as alegações.

    O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, chamou as alegações de infundadas, enquanto o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, apontou que nenhuma evidência foi produzida para fundamentar as alegações.

    Mais:

    EUA não apresentaram evidências de interferência russa nas eleições, diz enviado de Moscou
    Justiça dos EUA acusa cidadãos e empresas russas por suposta interferência nas eleições
    Trump rebate acusações de interferência russa nas eleições
    Delegados da Polícia Federal condenam interferência em inquérito sobre Temer
    Tags:
    interferência russa, WikiLeaks, Dmitry Peskov, Sergei Lavrov, Donald Trump, Julian Assange, Rússia, EUA, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik