02:26 27 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Submarino da Marinha da China durante missão

    China planeja equipar seus submarinos nucleares com tecnologias de inteligência artificial

    © AP Photo / Xinhua, Zha Chunming, File
    Mundo
    URL curta
    7110

    Inteligência artificial ajudaria os comandantes de submarinos nucleares a tomar decisões em situações difíceis.

    A China está trabalhando em um projeto para implementar as últimas tecnologias de inteligência artificial em submarinos nucleares, informa o South China Morning Post, citando um pesquisador familiarizado com o assunto.

    "Embora um submarino tenha enorme poder destrutivo, seu cérebro é pequeno", disse o pesquisador, que falou sob condições de anonimato. A equipe toma todas as decisões.

    O novo sistema "pensaria" de forma autônoma e simplificaria o importante processo de tomada de decisão para os comandantes. Os desenvolvedores do projeto argumentam que a capacidade humana para tomar decisões corretas em situações difíceis pode diminuir consideravelmente depois de muito tempo de confinação a um espaço fechado e submerso. Essas condições provocam estresse, falta de oxigênio e redução da capacidade de trabalho.

    Os cientistas acreditam que os novos desenvolvimentos ajudarão os comandantes de submarinos a reduzir a carga de trabalho e a tomar decisões mais eficazes.

    A inteligência artificial também pode ajudar os comandantes a estimar os prós e contras de certas manobras de combate, sugerindo até mesmo ações que o capitão do navio não considerou.

    Mais:

    'Suposições absurdas': China critica nova doutrina nuclear dos EUA
    Coreia do Norte fatura US$ 200 milhões com exportações; China é o maior parceiro comercial
    EUA se preocupam com crescente influência da Rússia e China na América Latina
    EUA defenderão estratégia nuclear visando ameaças de Rússia e China
    China realiza teste de míssil 'assassino de porta-aviões' estadunidense
    Tags:
    inteligência artificial, submarino nuclear, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik