16:33 21 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Financista bilionário George Soros (foto de arquivo)

    Trump pode destruir 'toda a civilização' em disputa com Coreia do Norte, diz Soros

    © AP Photo / Manuel Balce Ceneta
    Mundo
    URL curta
    161410

    O bilionário George Soros classificou o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, como um "perigo para o mundo" e um "fenômeno puramente temporário". Soros também disse que o presidente republicano ameaça "toda nossa civilização".

    Durante discurso no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, na quinta-feira (25), o financista húngaro disse que o mundo corre o perigo de uma guerra nuclear porque os Estados Unidos não estão aceitando que a Coreia do Norte tenha suas próprias armas nucleares.

    A postura de Trump cria "um forte incentivo para que a Coreia do Norte desenvolva sua capacidade nuclear com toda a velocidade possível". Este aprimoramento, entretanto, pode "induzir" Washington a "usar sua superioridade nuclear de forma preventiva, começar uma guerra nuclear para impedir uma guerra nuclear".

    "Não só a sobrevivência da sociedade aberta, mas a sobrevivência de toda a civilização está em jogo", disse ele, de acordo com a CNBC. "O aumento de lideranças como Kim Jong-un na Coreia do Norte e Donald Trump nos Estados Unidos tem muito a ver com isso".

    Soros acredita que Trump pode não chegar ao fim de seu mandato.

    "Claramente, considero a administração Trump como um perigo para o mundo", disse. "Mas considero isso um fenômeno puramente temporário que desaparecerá em 2020 ou até mais cedo".

    Mais:

    'Trotsky do século XXI': cada vez mais países se manifestam contra Soros
    George Soros transfere US$ 18 bilhões para sua fundação
    Museu oferece vaso sanitário de ouro usado para Trump
    Trump: Israel recompensará os EUA pelo reconhecimento de Jerusalém
    'Trump italiano' promete expulsar 100 mil imigrantes por ano se for eleito premiê
    Tags:
    Donald Trump, George Soros, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik