17:25 01 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    3613
    Nos siga no

    Ex-chefe do Serviço de Segurança da Ucrânia (SBU, sigla em ucraniano), Igor Smeshko declarou que a Ucrânia, mais do que outros países, contribuiu para o reforço de segurança nacional dos EUA.

    "Nós [ucranianos] desistimos do terceiro potencial nuclear do mundo, fortalecendo a segurança dos Estados Unidos de tal modo, que nenhum país do mundo nunca fez em toda a história dos EUA", revelou Smeshko ao canal de televisão Newsone.

    Entretanto, segundo destacou, hoje as capacidades de Washington para apoiar Kiev são limitadas. Em sua opinião, nos EUA há uma maioria no Congresso comprometida com a Ucrânia em termos de compreensão e significando para todo o sistema de segurança euro-atlântico, um mundo democrático livre.

    No entanto, ele destacou que "o presidente atual dos EUA [Donald Trump] tem outro ponto de vista".

    Em sua opinião, Donald Trump é pragmatista e quer estabelecer "boas relações com a Rússia".

    Mais cedo, o representante oficial do partido político ucraniano Frente Nacional, Anton Greschenko declarou que EUA não cumpriram suas obrigações no âmbito do Memorando de Budapeste.

    O Memorando de Budapeste sobre Garantias de Segurança é um acordo político assinado em Budapeste (Hungria) em 5 de dezembro de 1994, oferecendo garantias de segurança por seus signatários com relação à adesão da Ucrânia ao Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares. Segundo esse acordo, Kiev rejeitou possuir o armamento nuclear.

    Mais:

    Abandonados por todos: por que Ucrânia desistiu de seus navios na Crimeia?
    Por que Ucrânia é vulnerável perante os tanques dos adversários?
    Analista adverte sobre possibilidade de novo Maidan na Ucrânia
    Putin espera que as relações entre Rússia e Ucrânia se normalizem no futuro
    Arquivos secretos revelam fraude estatal na Ucrânia envolvendo aliados de Poroshenko
    Tags:
    armamento, arma nuclear, segurança, EUA, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar