02:27 17 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Bandeiras chinesas e norte-americanas

    Nova estratégia de defesa dos EUA irrita a China

    © AP Photo / Ng Han Guan, Pool
    Mundo
    URL curta
    13312

    A nova Estratégia de Defesa Nacional dos EUA inclui muitos julgamentos falsos e absurdos relacionados à China, que refletem a mentalidade da Guerra Fria, informou o Ministério da Defesa chinês em uma declaração neste sábado (20).

    Na sexta-feira (19), o Pentágono lançou a nova Estratégia de Defesa Nacional dos EUA. Entre outras questões, o documento apontou a Rússia e a China como ameaças de segurança para os Estados Unidos, enquanto a competição estratégica a longo prazo com Pequim e Moscou foi uma das principais prioridades para Washington.

    "O plano da estratégia nacional, entre outras coisas, inclui especulações absurdas sobre a modernização do exército chinês que não levam em conta que questões tão exageradas, como a rivalidade dos chamados grandes poderes e a 'ameaça militar da China' estão repletas de julgamentos falsos, tais como somas de zero e antagonismos", afirmou o comunicado.

    De acordo com o ministério, o documento inclui muitas disposições que mostram que a mentalidade da Guerra Fria não desapareceu.

    "Exigimos aos Estados Unidos que se livrem da mentalidade da Guerra Fria e dêem preferência aos meios pacíficos de resolver os principais problemas do mundo moderno, seguindo as tendências comuns do desenvolvimento global e que avaliem a defesa nacional da China e o desenvolvimento do seu exército de forma racional, de maneira objetiva", afirma o comunicado.

    O ministério acrescentou que a China não tem planos para lutar pela liderança global ou para realizar atividades que poderiam ser classificadas como expansão militar, que Pequim adere a uma política defensiva e contribui para o desenvolvimento global e a proteção da ordem mundial existente.

    Tags:
    defesa, Ministério da Defesa da China, Moscou, Pequim, Washington, Rússia, Estados Unidos, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik