08:30 24 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    O presidente da Rússia, Vladimir Putin, e seu homologo chinês, Xi Jinping, durante coletiva de imprensa de participantes da mesa redonda Um Cinturão e Uma Rota na China, 15 de maio de 2017

    Rússia e China rejeitam solução militar para crise na Coreia do Norte

    © Sputnik / Sergei Guneev
    Mundo
    URL curta
    12190

    Rússia e China rejeitam categoricamente até mesmo conversas sobre uma solução militar para a crise na península coreana, disse o embaixador russo na China, Andrei Denisov, em entrevista ao canal de televisão Rossiya 24.

    "Tanto a China como a Rússia tomam uma posição de solidariedade que se concentra na busca de uma solução política e diplomática para a questão e uma rejeição categórica de qualquer opção, ou até mesmo conversas sobre uma solução militar, porque tudo isso pode ter um impacto direto em nossos países", disse Denisov.

    Ele lembrou que o local em que Pyongyang conduz seus testes nucleares está a apenas 96 km da fronteira com a China. O embaixador também apontou a proximidade geográfica da região em relação ao extremo oriente da Rússia.

    "De uma maneira ou de outra, a solução militar é simplesmente inaceitável", ressaltou.

    As tensões na península coreana aumentaram desde o início deste ano, devido aos repetidos lançamentos de mísseis de Pyongyang e ao fortalecimento militar dos EUA na Coreia do Sul. Os Estados Unidos e seus aliados, em resposta, conduziram exercícios militares de larga escala na Coreia do Sul e nas proximidades da península coreana, além de enviarem equipamento militar à região.

    Na sexta-feira (22), o Conselho de Segurança da ONU aprovou por unanimidade uma resolução que endureceu as sanções contra a Coreia do Norte em relação ao lançamento do míssil balístico de 29 de novembro. Uma resolução elaborada pelos EUA reduz as importações de petróleo de Pyongyang e amplia a proibição de exportações de mercadorias para o país. A Coreia do Norte chamou as novas sanções de "ato de guerra", dizendo que os testes de mísseis eram uma forma de reforçar sua dissuasão para manter os Estados Unidos longe.

    Mais:

    China e Rússia estão muito interessadas em investir na América Latina, afirma Lavrov
    'EUA sentem o mesmo que Rússia e China desde Guerra Fria'
    'EUA farão todo o possível para causar problemas entre Rússia e China'
    Rússia e China podem vir a arquitetar apocalipse do bitcoin em 2018
    Tags:
    testes nucleares, bomba atômica, guerra nuclear, Conselho de Segurança da ONU, Andrey Denisov, Coreia do Sul, Coreia do Norte, China, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar