06:09 15 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Nikolai Patrushev durante um encontro com Vladimir Putin. Foto de arquivo

    EUA usam retórica da Guerra Fria para alcançar interesses econômicos, diz secretário russo

    © Sputnik / Sergei Guneev
    Mundo
    URL curta
    591
    Nos siga no

    Declaração feita para jornal impresso aponta que os Estados Unidos utilizam mesma retórica há décadas e têm o uso da força como política de paz.

    Washington impõe imagem de agressor sobre outros países para justificar seus próprios interesses econômicos, e age sob a lógica da Guerra Fria, afirmou o secretário do Conselho de Segurança da Rússia, Nikolai Patrushev, ao jornal Argumenty i Fakty.

    Lançamento de mísseis de cruzeiro Kalibr contra terroristas na Síria, 19 de agosto
    © Sputnik / Ministério da Defesa russo
    Patrushev relembrou que na nova estratégia de segurança nacional norte-americana, Irã e Coreia do Norte foram chamados estados agressores, enquanto China e Rússia foram descritos como "potências revisionistas" que desafiam os Estados Unidos e procuram desafiar sua segurança.  

    Dentre as prioridades da política externa dos Estados Unidos, estaria o seguinte, segundo apontou o jornal: "preservar a paz através da força, e avançar com a influência norte-americana sobre o mundo".

    "Por trás da imagem de agressor imposta aos outros países por Washington, há interesses econômicos reais e o mesmo paradigma dos tempos da Guerra Fria, o que não mudou por décadas", disse ainda o secretário Nikolai Patrushev.

    Mais:

    Banqueiro alerta: novas sanções contra Rússia 'fariam a Guerra Fria parecer peça infantil'
    China exorta EUA a abandonarem 'obsoleta mentalidade da Guerra Fria'
    Passeio único por bunker secreto dos tempos da Guerra Fria
    Decisão do COI sobre Rússia 'é guerra fria no esporte'
    Tags:
    Guerra Fria, Argumenty i Fakty, Conselho de Segurança da Rússia, Nikolai Patrushev, Washington, DC, Estados Unidos, China, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar