12:38 22 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    9140
    Nos siga no

    O embaixador da China na Rússia, Li Hui, em evento dedicado ao 19º Congresso do Partido Comunista da China, declarou que "as relações sino-russas de cooperação estratégica global são as relações bilaterais mais importantes do mundo e as melhores relações entre grandes países".

    A observação do diplomata deve ser recebida com cautela, já que as relações entre os dois países são muito mais complexas, comentou ao RT o economista e especialista em assuntos chineses Sergei Lukonin do Instituto de Economia Mundial e Relações Internacionais da Rússia.

    Há muitos países com os quais a China mantém relações muito próximas, de acordo com o especialista. "A política externa da China é multifacetada e multilateral, por isso não seria correto considerar laços com uma só nação como os mais importantes", enfatizou Lukonin.

    Economia

    Economia é a esfera onde há carência entre os dois países. A Rússia representou 1,8% das exportações da China e 2% das importações da China em 2016, em comparação com 18,4% e 8,5% das dos EUA, parceiro comercial mais importante da China. No entanto, o mercado e os bens da Rússia podem ser importantes para Pequim, mas não tão importantes como os dos EUA e da União Europeia, segundo indicou Lukonin.

    Referindo-se às boas relações pessoais entre o presidente russo, Vladimir Putin, e o seu homólogo chinês, Xi Jinping, o analista notou que isto contrasta com a carência de laços econômicos.

    Política

    Ao mesmo tempo, a Rússia e a China coincidem em muitos aspectos no âmbito político, além da coordenação de votos no Conselho de Segurança da ONU. As posições da Rússia e China estão alinhadas em tais questões como a crise da Síria e da Coreia do Norte. Os militares de ambas as nações efetuam exercícios conjuntos regulares.

    Além do mais, Moscou e Pequim trabalham juntas para eliminar o dólar do comércio bilateral, o que enfraquece o domínio dos Estados Unidos no sistema financeiro mundial.

    Bloco militar

    Mas, apesar de serem aliados naturais contra a pressão dos EUA, é impossível que a Rússia e a China façam parte de um bloco militar similar ao da União Soviética e da República Popular da China com liderança de Stalin e Mao, afirmou ao RT Andrew KP Leung, analista financeiro de Hong Kong.

    Por outro lado, Moscou e Pequim podem vir a formar uma aliança político-militar ao estilo da OTAN se os EUA decidirem aumentar drasticamente a pressão em Pequim com o intuito de evitar que China persiga sua visão global para o futuro, segundo o especialista em estudos chineses da Universidade Amizade dos Povos da Rússia, Yuri Tavrovsky.

    "Em termos geopolíticos, China e Rússia já estão coordenando ativamente suas posições. Enquanto a aproximação da aliança político-militar dependerá em grande medida da pressão exercida pelos EUA", concluiu Tavrovsky.

    Mais:

    Especialistas advertem OTAN sobre o reforço do poder militar da Rússia
    Rússia e China podem vir a arquitetar apocalipse do bitcoin em 2018
    Trump gostaria de receber ajuda da Rússia no que diz respeito à Coreia do Norte
    Tags:
    aliança, União Europeia, OTAN, Xi Jinping, Vladimir Putin, EUA, China, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar