03:16 22 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Nesta foto sem data que foi divulgada pela Agência Central de Notícias da Coreia do Norte em Pyongyang no dia 7 de Março de 2017, o líder da Coreia do Norte Kim Jong-un supervisou o lançamento de mísseis balísticos das unidades da artilharia de Hwasong das Forças Estratégicas do Exercito Popular da Coreia

    Coreia do Norte diz que 'não viola nada' desenvolvendo armas nucleares

    © REUTERS / KCNA
    Mundo
    URL curta
    682

    O representante permanente da Coreia do Norte na ONU, Ja Song-nam, declarou nesta sexta-feira (15) que o país não viola nada desenvolvendo armas nucleares.

    "O fato de que a Coreia do Norte tem armas nucleares não representa, de nenhuma forma, uma violação de nenhuma lei ou regra internacional", disse ele durante reunião no Conselho de Segurança da ONU. 

    De acordo com o diplomata, "a Coreia do Norte se retirou do Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares da maneira mais justificada";

    Ja Song-nam frisou que Pyongyang não interere nos interesses de outros países e que sua dissuasão nuclear "serve apenas para fins de defesa e proteção da paz na região".

    Segundo ele, a Coreia do Norte é uma "potência nuclear responsável, um país comprometido com a paz" e que cumpre todas as obrigações de não proliferação, em particular, não permitindo a transferência ilegal de armas e tecnologias para terceiros.

    Em 28 de novembro, após o lançamento de um novo míssil por parte da Coreia do Norte, supostamente capaz de alcançar o território dos EUA, Washington solicitou que todos os países rompessem as relações diplomáticas com Pyongyang.

    Mais:

    Pyongyang negociará se EUA garantirem fim de exercícios militares na península da Coreia
    Tillerson: EUA estão prontos para solução militar da crise na Coreia
    ONU: é hora de restabelecer comunicação para reduzir tensões com Coreia do Norte
    Tags:
    Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares, armas nucleares, ONU, EUA, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik