15:46 26 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Bandeira nacional da Coreia do Norte

    EUA estabelecem política de 'diplomacia e sanções' para a Coreia do Norte

    © AFP 2018 / Ed Jones
    Mundo
    URL curta
    321

    Departamento do Estado dos EUA e a Casa Branca haviam manifesta uma contradição interna em relação à política para a Coreia do Norte em relação à abertura para negociações.

    O negociador chefe dos EUA para a Coreia do Norte declarou nesta sexta-feira (15) que Washington deve se engajar em uma democracia direta com Pyongang juntamente com as sanções impostas ao seu programa nuclear.

    Presidente russo, Vladimir Putin, e presidente norte-americano, Donald Trump, durante a cúpula do G20 em Hamburgo
    © Sputnik / Mikhail Klimentiev
    O secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, demonstrou na última terça-feira disposição para iniciar negociações diretas com a Coreia do Norte sem condições prévias, mas a Casa Branca posteriormente disse que as negociações não poderiam ser realizadas até que a Coreia do Norte mudasse sua postura em relação ao seu programa nuclear. 

    "Devemos exercer a diplomacia direta e as sanções. Essa é a nossa política baseada na pressão e no envolvimento, e desejamos exercer pressão e diplomacia", disse o representante especial dos EUA para a política da Coreia do Norte, Joseph Yun, a jornalistas.

    Yun viajou para o Japão e a Tailândia esta semana para se encontrar com autoridades e discutir formas de aumentar a pressão sobre a Coreia do Norte após o último teste de mísseis balísticos do país.

    Mais:

    Novas imagens mostram que a Coreia do Norte pode mesmo ter uma bomba de hidrogênio
    Putin e Trump discutem crise da Coreia do Norte
    'Pior do que campos nazis': relatório revela sobre prisões políticas da Coreia do Norte
    'Contradições entre Trump e Tillerson enfraquecem posição dos EUA contra Coreia do Norte'
    Tags:
    sanções, diplomacia, Casa Branca, Rex Tillerson, Pyongyang, EUA, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik