01:42 06 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    1122
    Nos siga no

    O ex-militar croata, Slobodan Praljak, condenado no Tribunal Penal Internacional por crimes cometidos na Guerra da Bósnia, morreu nesta quarta-feira (29) após tomar um suposto veneno durante a sentença de sua condenação. Uma das advogadas do general falou à Sputnik Sérvia sobre o caso, levantando suspeitas sobre o acesso ao veneno pelo croata.

    Uma das advogadas do ex-militar bósnio-croata, Natasa Favo Ivanovic, disse em entrevista à Sputnik que não tem a "menor ideia" de como o condenado teve acesso ao veneno em plena sessão do Tribunal Penal Internacional. 

    "Eu realmente não tenho a menor ideia de como é possível que alguém traga veneno para a sala do tribunal", disse a advogada, acrescentando que  todas as possibilidades legais devem ser estudadas. "Claro, alguém dever responder por isso", acrescentou.    

    Ela contou que não viu o momento do ato, pois estava de costas para Praljak no momento em que ele tomou o líquido. 

    Ao comentar as impressões sobre o estado psicológico de Praljak, a advogada contou que teve "muito pouco contato direto com ele". "Ele foi um cliente muito grato. Ele nunca nos incomodou se ele não precisasse de assistência jurídica. […] De manhã, durante a sessão, eu o vi apenas no momento em que o cumprimentei", observou. 

    O croata da Bósnia e Herzegovina, Slobodan Praljak, tomou veneno no tribunal após ouvir sua sentença por crimes de guerra. O general de 72 anos foi sentenciado pelo Tribunal Penal Internacional a 20 anos de prisão por crimes cometidos durante a Guerra da Bósnia.

    A advogada contou também que foi ela mesma que avisou ao juiz sobre o acontecido por ter tido a impressão de ter escutado o aviso do ex-militar de que estava tomando o veneno. 

    "Mas agora eu realmente não posso confirmar se ele realmente disse algo assim, ou pareceu-me", ponderou.  

    Praljak foi um dos seis políticos bósnio-croatas condenados em 2013, em Haia, por crimes de guerra cometidos contra civis muçulmanos durante os conflitos na Bósnia nos anos 1990. 

    Mais:

    Ucrânia acusa Rússia de 'terrorismo' no Tribunal de Haia
    Procuradoria pede prisão perpétua ao 'carniceiro dos Bálcãs' no Tribunal de Haia
    Corte de Haia irá investigar crimes de guerra no Afeganistão
    Tags:
    crimes de guerra, morte, veneno, Tribunal de Haia, Tribunal Penal Internacional, Slobodan Praljak, Bósnia, Haia, Croácia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar