15:34 08 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    10187
    Nos siga no

    Analistas da edição norte-americana The National Interest analisaram as consequências de um hipotético ataque nuclear norte-coreano contra a cidade estadunidense de Los Angeles.

    A análise foi feita com ajuda de um programa elaborado no Instituto de Tecnologia Stevens, EUA.

    Para tal, foi escolhida uma bomba de 250 mil toneladas de TNT. Segundo os cálculos, a explosão de tal bomba no centro da cidade norte-americana afetaria mais de um milhão de pessoas, matando 378 mil e ferindo 860 mil. Sublinha-se que a explosão destruiria a maioria de edifícios em um raio de cinco quilômetros do epicentro, reduzindo a zero a chances de sobreviver para aqueles que lá estivessem.

    No raio de 7 quilômetros do epicentro, em um território de 150 quilômetros quadrados, os cidadãos sofreriam queimaduras graves, pois o diâmetro da bola de fogo atingiria milhares de metros.

    Os autores da pesquisa sublinham que o número de vítimas de um ataque desses pode ser comparado com as baixas dos EUA durante a Segunda Guerra Mundial, esperando que seus cálculos nunca se tornem realidade.

    As relações entre Washington e Pyongyang se agravaram por causa dos testes nucleares e de mísseis realizados pela Coreia do Norte. O presidente dos EUA, Donald Trump, chamou o líder norte-coreano Kim Jong-un de "homem-foguete" em uma "missão suicida". O líder estadunidense afirmou que, caso a Coreia do Norte represente ameaça para os EUA, será destruída. Kim Jong-un, por sua parte, não descartou a possibilidade de um ataque nuclear contra o território norte-americano insular de Guam.

    Mais:

    'Fogo amigo': Rússia e China ignoram protestos de Kim e impõem sanções à Coreia do Norte
    Chanceler japonês quer obrigar a Coreia do Norte a desistir do programa nuclear
    Tags:
    vítimas, explosão nuclear, The National Interest, Kim Jong-un, Donald Trump, Los Angeles, EUA, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar